Dizibilidades literárias: a dramaticidade da existência nos espaços contemporâneos / Literary sayings: the drama of existence in contemporary spaces

Eguimar Felício Chaveiro

Resumo


A interlocução entre Geografia e Arte abre um continente de possibilidades para a efetivação de pesquisas. Especificamente, a aproximação entre Geografia e Literatura pode contribuir para que os geógrafos pensem a geografia como dizer – e interroguem o dizer da geografia. Ao defender uma dizibilidade que aglutina o mundo do conceito ao mundo da experiência, além de tentar superar os esquemas abstratos e burocráticos da escrita geográfica feita atualmente, pode-se constituir modos de compreender a dramaticidade da existência nos espaços contemporâneos. E, assim, valer-se: as narrações produzem mundos. E isso é uma das maiores contribuições da literatura, uma vez que este campo de dizer tem na palavra a sua essencialidade. Ao colocar o dizer como um desafio geográfico e fazê-lo aproximar da experiência, espera-se criar mecanismos de o sujeito organizar o pensamento, despertar realidades adormecidas de seu íntimo, compreender que na empresa acadêmica há o legado imaginativo e na empresa ficcional há o legado sistemático da linguagem.


Palavras-chave


Geografia e Arte, Dizibilidades literárias, Escrita geográfica, Dramaticidade dos espaços, Experiência.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, O. Bueno. A pluralidade da geografia e o papel das abordagens fenomenologias no fazer geográfico. Conferência de abertura proferida no primeiro colóquio nacional do NEER - Espaço e representações: reconstruções teóricas do geográfico. Curitiba (PR), UFPR, 2006.

BALESTRIN, J. V & STREY, M. N & ARGEMI, M. D. A emoção é o consumo: subjetivação e a vida capital. Althenea Digital, n. 13, 121-132, 2008.

BARROS, Manoel. Livro sobre nada. Rio de Janeiro: Record, 2004.

COUTO, Mia. Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. Lisboa: Editorial Caminho, 2002.

DELEUZE, Gilles. A literatura e a vida. Crítica e Clínica, São Paulo: Editora 34, 1997.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos: estética, literatura – e pintura, Música e cinema Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, vol. III, p. 264-298.

LACAN, Jacques. Função e Campo da fala e da linguagem. In: Escritos, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

LISPECTOR, C. A Paixão Segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LIMA, Solange T. Geografia e Literatura: alguns pontos sobre a percepção da paisagem. Geosul, v.15, n. 30, p 7-33, Florianópolis, 2000.

MARANDOLA, E. J. Humanismo e arte para uma geografia do conhecimento. Geosul, v. 25, n. 49, p. 7-26, Florianópolis, 2010.

MARANDOLA, E. Júnior & GRATÃO, L. Geografia e Literatura – ensaios sobre geograficidade, poética e imaginação. Londrina: Eduel, 2013.

PAZ, Octávio. El Arco Y La lira. Cidade do México: Fondo de Cultura, 1956.

PEÇANHA, J. Garcia. Instabilidade perpétua. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

ROLNIK, Suely. Subjetividade na era da Globalização. In: Folha de São Paulo, Caderno Mais. São Paulo, 1996: 19

SANTOS, Douglas. As categorias geográficas. Palestra ministrada no programa de Pós-graduação em Geografia. Jataí-GO, 2014.

SARTRE, J. P. O Existencialismo é um humanismo. Seleção de textos de José Américo Motta Peçanha, Tradução de Rita Carreira Guedes e Luiz Roberto Salinas Forte. Bento Prado Jr, São Paulo: Nova Cultural, 1987.

TAKEUTI, Norma. Inconsistência simbólica e fragilidades identitárias. Psicologia em Revista, v.8, n.12, pag. 32-44. Belo Horizonte, 2002.

TEZZA, Cristovão. O espírito da Prosa. Rio de Janeiro: Record, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2015.51.a12917

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.