Paisagens e visões míticas, questões de gênero e a cidade no romance "Mar Morto", de Jorge Amado / Landscapes and mythical views, gender issues and the city on “Dead Sea”, a novel by Jorge Amado

Jânio Roque Barros de Castro

Resumo


No presente texto, analisa-se o livro Mar morto, uma obra literária do consagrado escritor Jorge Amado, publicada em meados década de 1930, que trata da trama romântica entre o pescador Guma e Lívia. Inicialmente, faz-se uma discussão sobre a relação entre o além e as divindades e os espaços / lugares reais onde a trama foi cenarizada, com destaque para a Baía de Todos os Santos e seu entorno. Posteriormente analisam-se as abordagens do autor acerca do papel da mulher nessa obra, que transita da submissão da sociedade machista da época, passando pela rebeldia daquelas que subvertem essa situação e se estende até a divinização feminina com forte dimensão mítica. Por último, além do romance Mar morto, faz-se uso de alguns trechos do livro Baía de Todos os Santos para se tematizar e problematizar as leituras sobre cidade, com especial ênfase em Salvador.

Palavras-chave


Paisagens Míticas, Lugar, Mar, Mulher, Cidade

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, Jorge. Bahia de Todos os Santos: guia de ruas e mistérios de Salvador. - São Paulo: Companhia das Letras, 2012 [1945].

_____________ . Os pastores da noite. - São Paulo: Companhia das Letras, [1964] 2009.

_____________ . Mar morto. Companhia das Letras. – São Paulo, [1936] 2008.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução de Antônio de Pádua Danesi. – São Paulo: Martins Fontes, 1993.

CASTRO, Janio Roque B. de. Da casa à praça pública: a espetacularização das festas juninas no espaço urbano. – Salvador: EDUFBA, 2012.

CASTRO, Janio Roque B. de. Os sertanejos e o sertão vistos na/da capital da Bahia e as diferentes leituras/vivências da cidade de Salvador em duas obras de Jorge Amado. In: SILVA, Maria Auxiliadora da e SILVA, Harlan R. Ferreira – Geografia, literatura e arte: reflexões. Salvador. – EDUFBA, 2010. P. 51 – 64.

CLAVAL, Paul. A revolução pós-funcionalista e as concepções atuais da Geografia. In: MENDONÇA, F. e KOZEL, S. (Orgs.) Elementos de epistemologia da Geografia contemporânea. – Curitiba: Ed. da UFPR, 2002. P. 11 – 43.

DARDEL, Eric. O homem e a terra: a natureza da realidade geográfica. Tradução: Werther Holzer. – São Paulo: Perspectiva, 2011.

DELEUZE, G. e GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 05; Tradução de Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. – São Paulo: Ed. 34, 1997.

________________________ . O que é a Filosofia. Tradução de Bento Prado Júnior e Alberto Alonso Munoz. – Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

ELIADE, Mircea. Imagens e Símbolos. Tradução de Maria Lúcia Pinho. Ensaio sobre o simbolismo mágico – religioso. Tradução: Sonia Cristina Tamer. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

JUNG, CARL G. O homem e seus símbolos. 6. ed. São Paulo: Editora Nova Fronteira, 1987.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único a consciência universal. – 2ª ed. – Rio de Janeiro: Record, 2000.

TUAN, YI – Fu. Espaço e lugar. Tradução de Lívia de Oliveira. São Paulo, DIFEL, 1983.

____________ . Topofilia. Um estudo da percepção. Atitudes e valores do meio ambiente. Tradução de Lívia de Oliveira. São Paulo, DIFEL, 1980.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2015.52.a12943

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.