Fenomenologia transcendental como fundamento de uma fenomenologia da paisagem: Notas sobre um exercício prático de redução fenomenológica / Transcendental phenomenology as basis of a phenomenology of landscape

Angelo Serpa

Resumo


Intenta-se nesse artigo apresentar e discutir os princípios da fenomenologia transcendental de Edmund Husserl, refletindo especialmente sobre o procedimento de redução fenomenológica e sua utilização como fundamento primeiro de uma fenomenologia da paisagem contemporânea. Noções caras à fenomenologia como imanência, transcendência, fenômeno, situação, intencionalidade e intersubjetividade, entre outras, são problematizadas nas diferentes seções do texto, assim como os resultados de um exercício de fenomenologia da paisagem, realizado com os estudantes de disciplina homônima, oferecida em 2013 no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Bahia (POSGEO-UFBA). Conclui-se que o maior ganho desse tipo de procedimento parece ser a conscientização pelos participantes de que nem o mundo nem a paisagem são dados absolutos ou externos aos seres humanos, mas se constituem neles e a partir deles, o que torna paisagem e mundo “universais sempre negociados”. Desse modo, a redução fenomenológica não é a “fórmula de uma filosofia idealista”, mas sim a “fórmula de uma filosofia existencialista”, como nos lembra Merleau-Ponty, radicalmente humanista e centrada nos seres humanos. Por fim, a redução fenomenológica nos revela também que a paisagem é uma relação entre sujeitos que intersubjetivamente relacionam objetos constituindo paisagens como “universais”.


Palavras-chave


Fenomenologia Transcendental, Fenomenologia da Paisagem, Edmund Husserl, Redução Fenomenológica, Intersubjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


CLAVAL, P. A Paisagem dos Geógrafos. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. (Org.). Paisagens, Textos e Identidades. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2004. p. 13-74.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. 6. ed. Petrópolis: Editora Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2012.

HUSSERL, E. A Idéia da Fenomenologia. Lisboa: Edições 70, 2000.

______. Meditações Cartesianas. Introdução à Fenomenologia. 2. ed. Porto: Rés-Editora, 2001.

______. Idéias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. Introdução geral à fenomenologia pura. Tradução de Marcio Suzuki. São Paulo: Ed. Idéias e Letras, 2006.

MARANDOLA JR., E.; HOLZER, W.; OLIVEIRA, L. de. (Org.). Qual o espaço do lugar? São Paulo: Perspectiva, 2012.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

SANTOS, M. Salvador: Centro e Centralidade na Cidade Contemporânea. In: GOMES, M. A. A. F (Org.). Pelo Pelô: História, Cultura e Cidade. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 1995. p. 11-29.

SARTRE, J.-P. O Ser e o Nada. Ensaio de Ontologia Fenomenológica. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

SERPA, A. Paisagem, lugar e região: Perspectivas teórico-metodológicas para uma Geografia humana dos espaços vividos. Geousp, São Paulo, n. 33, p. 168-185, 2013.

______. Parâmetros para a construção de uma crítica dialético-fenomenológica da paisagem contemporânea. Formação, Presidente Prudente, v. 2, p. 14-22, 2007.

______. O Trabalho de Campo em Geografia: Uma Abordagem Teórico-Metodológica. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, v. 84, p. 7-24, 2006.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2016.61.a12951

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.