O Dasein que somos no pesquisar em Geografia / The Dasein that we are in the research on geography

Antonio Bernardes

Resumo


Partindo da discussão do que é o ser do homem ou o Dasein, como se refere Heidegger, e suas respectivas traduções para a língua portuguesa – como, por exemplo: ser-aí, estar-aí e pre-sença –, pretendemos posiciona-lo e situa-lo devidamente nos estudos geográficos, notadamente, para inferir uma concepção de ser para além do pesquisado e de suas dinâmicas que caracterizam o lugar em direção ao próprio pesquisador que é ser-no-mundo, com os Outros e os entes em geral. Trata-se de uma tentativa de indicar o pesquisador e o pesquisado teoricamente sob as mesmas condições de ser sem desloca-los de sua posição, perspectiva de abordagem, situação e corporeidade para os estudos geográficos no lugar.

 


Palavras-chave


Ontologia, Dasein, Heidegger, Mundo, Lugar.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Tomás. O ente e a essência. Petrópolis: Vozes, 1995.

BAUDRILLARD, J. A transparência do mal: ensaio sobre fenômenos extremos. Campinas: Papirus, 1996.

BERNARDES, Antonio. Das perspectivas ontológicas à natureza do internauta: contribuição à epistemologia em Geografia. 2012, f. 264 il. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

DARDEL, Eric. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2011.

FERREIRA, Acylene Maria Cabral. A constituição ontológico-existencial da corporeidade em Heidegger. In: Síntese – Revista de Filosofia, Belo Horizonte, v.37, n.117, 2010, p.107-123.

FLORES, Juliana Mezzomo. A totalidade existencial e mundo como totalidade: o conceito de totalidade na ontologia fundamental de Martin Heidegger. 2009, 118 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Centro de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 2012.

HAWKING, Stephen; MLODINOW, Leonard. Uma breve história do tempo. Rio de Janeiro, Ediouro, 2005.

HEGEL, Georg W. F. Fenomenologia do espírito. Petrópolis: Vozes, 2005.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 2011.

HEIDEGGER, Martin. Os problemas fundamentais da fenomenologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

HUSSERL, Edmund. Meditações cartesianas e conferências de Paris. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2010.

HOLZER, W. O lugar na Geografia Humanista. Revista Território, Rio de Janeiro, n.7, 1999, p.67-78.

HOLZER, W. Sobre territórios e lugaridades. Revista Cidades, Presidente Prudente, Vol.10, n.17, 2013, p.18-29.

LUKÁCS, György. Introdução a uma estética marxista: sobre a categoria da particularidade. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas,1979.

LUKÁCS, György. Ontologia do ser social. Os princípios ontológicos fundamentais em Marx. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1968.

MARTINS, Élvio Rodrigues. Da geografia à ciência geográfica e o discurso lógico. 1996, 319 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

RELPH, E. As bases fenomenológicas da geografia. In: Revista Geografia. Rio Claro, vol.4, n.7, 1979, p.1-25.

RELPH, E. Spirit of Place and Sense of Place in Virtual Realities. Techné: Research in Philosophy and Technology. Vol.11, n.1, Virginia Tech, 2007. Disponível em: < http://scholar.lib.vt.edu/ejournals/SPT/v10n3/relph.html > Acessado em 16 de julho de 2012.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Ensaio de Ontologia Fenomenológica. Petrópolis: Vozes, 1997.

SEAMON, D.; SOWERS, J. Place and Placelessness, Edward Relph. In: HUBBARD, P. et. al. (org.). Texts in Human Geography. Londres: Sage, 2008.

SILVA, Armando Corrêa da. Aparência, ser e forma: Geografia e método. In: _____. Geografia: modernidade e pós-modernidade. Presidente Prudente, 1996a. (Apostila destinada ao curso de Pós-Graduação em Geografia da UNESP-FCT, campus de Presidente Prudente)

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL, 1983.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2016.62.a12960

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.