Ser-na-cidade: uma aproximação fenomenológica da experiência tecnológica / Being-in-the-city: a phenomenological approach to technological experience

Jason Wasiak

Resumo


Este artigo examina a dinâmica acerca da negociação e articulação da relação corpo-tecnologia caracterizando necessariamente a experiência de ser-na-cidade. Em nenhum outro lugar a experiência cotidiana é mais mediada pela tecnologia do que na cidade. Ser-na-cidade envolve o ser encarnado pela tecnologia em níveis que vão do micro ao macro. Apesar do fato de que a tecnologia é constantemente desenvolvida no espaço da cidade, relações com a tecnologia tendem a se tornarem rapidamente normalizadas – mundanas – transparentes. Dada esta normalização, assim como a omnipresença da tecnologia na constituição do espaço da cidade, é importante examinar as formas como a tecnologia vem moldar os contextos experienciais da vida cotidiana. No espaço urbano tecnologias resultam em novas cenas a serem vistas, sons a serem ouvidos, aromas a serem cheirados, gostos a serem saboreados, texturas a serem sentidas, bem como modos totalmente novos de experienciar o cotidiano. Ao explorar a dinâmica em torno da negociação e articulação contínua em várias camadas da relação corpo-tecnologia que caracteriza necessariamente a experiência de ser na cidade, uma perspectiva fenomenológica é adotada. Os escritos de Heidegger sobre tecnologia, os de Merleau-Ponty sob corporeidade e percepção e os de Don Ihde sobre o corpo e a tecnologia, contribuem para o quadro teórico para um exame fenomenológico das implicações experienciais do Ser-na-cidade, uma ecologia tecnológica.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGMANN, Albert. Information and Reality at the Turn of the Century. In: Robert Scharff & Val Dusek (eds): Philosophy of Technology: The Technological Condition. Malden: Blackwell Publishing, 2003, p. 571–577.

DREYFUS, Hubert. Being-in-the-world: A commentary on Heidegger’s Being and Time. Cambridge: MIT Press, 1990.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Tradução de Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes/Universidade São Francisco, 2005.

HEIDEGGER, Martin. Serenidade. Lisboa: Piaget, 2000.

HEIDEGGER, Martin. Construir, habitar, pensar. In: HEIDEGGER, Martin. Ensaios e Conferências. Tradução de Emmanuel Carneiro Leão, Gilvan Fogel, Marcia Sá Cavalcante Schuback. 8 ed. Petrópolis: Vozes/Universidade de São Francisco, 2012, p. 125-142.

HEIDEGGER, Martin. The Question Concerning Technology and Other Essays. New York: Harper Torchbooks, 1977.

IHDE, Don. Bodies in Technology. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2002.

IHDE, Don. Technology and the Lifeworld: From Garden to Earth. Bloomington: Indiana University Press, 1990.

JONAS, Hans (2006): Toward a Philosophy of Technology. In: Robert Scharff; Val Dusek (eds). Philosophy of Technology: The Technological Condition. Malden: Blackwell Publishing, 2006, p. 191–204.

KITTLER, Friedrich. The City is a Medium. New Literary History. 27:4, 717–729, 2006.

KINGWELL, Mark. Concrete Reveries: Consciousness and the City. Toronto: Viking Canada, 2008.

KLINE, Stephen. What is technology?. In: Robert Scharff & Val Dusek (eds). Philosphy of Technology: The Technological Condition. Malden: Blackwell Publishing, 2003, p. 210–212.

LASH, Scott. Critique of Information. London: Sage Publications, 2002.

MCLUHAN, Marshall; FIORI, Quentin. Os meios são as massagens. São Paulo, Record, 1969.

MCQUIRE, Scott. The Media City: Media, Architecture and Urban Space. Los Angeles: Sage Publications, 2008.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. Tradução Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

NARDI, Bonnie; O’DAY, Vickie. Information ecologies: Using technology with heart. Cambridge: MIT Press, 1999.

STIEGLER, B. Technics and time, 1: the fault of Epimetheus. Stanford: Stanford California, 1998.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2017.71.a12968

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.