Ser-na-cidade: uma aproximação fenomenológica da experiência tecnológica / Being-in-the-city: a phenomenological approach to technological experience

Jason Wasiak

Resumo


Este artigo examina a dinâmica acerca da negociação e articulação da relação corpo-tecnologia caracterizando necessariamente a experiência de ser-na-cidade. Em nenhum outro lugar a experiência cotidiana é mais mediada pela tecnologia do que na cidade. Ser-na-cidade envolve o ser encarnado pela tecnologia em níveis que vão do micro ao macro. Apesar do fato de que a tecnologia é constantemente desenvolvida no espaço da cidade, relações com a tecnologia tendem a se tornarem rapidamente normalizadas – mundanas – transparentes. Dada esta normalização, assim como a omnipresença da tecnologia na constituição do espaço da cidade, é importante examinar as formas como a tecnologia vem moldar os contextos experienciais da vida cotidiana. No espaço urbano tecnologias resultam em novas cenas a serem vistas, sons a serem ouvidos, aromas a serem cheirados, gostos a serem saboreados, texturas a serem sentidas, bem como modos totalmente novos de experienciar o cotidiano. Ao explorar a dinâmica em torno da negociação e articulação contínua em várias camadas da relação corpo-tecnologia que caracteriza necessariamente a experiência de ser na cidade, uma perspectiva fenomenológica é adotada. Os escritos de Heidegger sobre tecnologia, os de Merleau-Ponty sob corporeidade e percepção e os de Don Ihde sobre o corpo e a tecnologia, contribuem para o quadro teórico para um exame fenomenológico das implicações experienciais do Ser-na-cidade, uma ecologia tecnológica.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGMANN, Albert. Information and Reality at the Turn of the Century. In: Robert Scharff & Val Dusek (eds): Philosophy of Technology: The Technological Condition. Malden: Blackwell Publishing, 2003, p. 571–577.

DREYFUS, Hubert. Being-in-the-world: A commentary on Heidegger’s Being and Time. Cambridge: MIT Press, 1990.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Tradução de Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes/Universidade São Francisco, 2005.

HEIDEGGER, Martin. Serenidade. Lisboa: Piaget, 2000.

HEIDEGGER, Martin. Construir, habitar, pensar. In: HEIDEGGER, Martin. Ensaios e Conferências. Tradução de Emmanuel Carneiro Leão, Gilvan Fogel, Marcia Sá Cavalcante Schuback. 8 ed. Petrópolis: Vozes/Universidade de São Francisco, 2012, p. 125-142.

HEIDEGGER, Martin. The Question Concerning Technology and Other Essays. New York: Harper Torchbooks, 1977.

IHDE, Don. Bodies in Technology. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2002.

IHDE, Don. Technology and the Lifeworld: From Garden to Earth. Bloomington: Indiana University Press, 1990.

JONAS, Hans (2006): Toward a Philosophy of Technology. In: Robert Scharff; Val Dusek (eds). Philosophy of Technology: The Technological Condition. Malden: Blackwell Publishing, 2006, p. 191–204.

KITTLER, Friedrich. The City is a Medium. New Literary History. 27:4, 717–729, 2006.

KINGWELL, Mark. Concrete Reveries: Consciousness and the City. Toronto: Viking Canada, 2008.

KLINE, Stephen. What is technology?. In: Robert Scharff & Val Dusek (eds). Philosphy of Technology: The Technological Condition. Malden: Blackwell Publishing, 2003, p. 210–212.

LASH, Scott. Critique of Information. London: Sage Publications, 2002.

MCLUHAN, Marshall; FIORI, Quentin. Os meios são as massagens. São Paulo, Record, 1969.

MCQUIRE, Scott. The Media City: Media, Architecture and Urban Space. Los Angeles: Sage Publications, 2008.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. Tradução Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

NARDI, Bonnie; O’DAY, Vickie. Information ecologies: Using technology with heart. Cambridge: MIT Press, 1999.

STIEGLER, B. Technics and time, 1: the fault of Epimetheus. Stanford: Stanford California, 1998.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2017.71.a12968

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.