Fenomenologia do lugar poético no imaginário arbóreo do Parque do Flamengo / Phenomenology of the poetic place in the tree imaginary Flamengo Park

Jorge Crichyno

Resumo


O tema tratado neste artigo refere-se ao lugar poético do imaginário arbóreo e suas repercussões e ressonâncias na paisagem, buscando elucidar a componente arbórea enquanto potência imaginal. Na perspectiva de compreendermos essa diversidade de sentidos, o trabalho investiga a presença das árvores no Parque do Flamengo - Rio de Janeiro, desvendando os significados simbólicos e os elos que se estabelecem com os sujeitos, configurando assim uma fenomenologia poética do lugar arborescente. O caminho pelo qual se desenvolve este estudo é através da análise de fontes poéticas (poemas) que abrangem as obras de três poetas nacionais: Cecília Meireles, Carlos Drummond de Andrade e Manoel de Barros, promovendo um material reflexivo para a identificação das estruturas imaginantes e dos dinamismos indutores da imagem-árvore. O principal aporte teórico-conceitual é dado pelos fundamentos de Gaston Bachelard e de Martin Heidegger, a partir dos quais se pretende explorar a árvore enquanto imagem poética e do lugar no habitar, considerando-os como base constitutiva do imaginário arbóreo urbano existente no Parque do Flamengo.


Palavras-chave


Fenomenologia;Lugar Poético; Imaginário Arbóreo; Parque do Flamengo

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Carlos Drummond. Antologia poética. Rio de Janeiro: Ed. Record, 2001.

_________________________. Crônicas: 1930 -1934. Belo Horizonte: Secretaria do Estado da Cultura de Minas Gerais, 1987.

_________________________. Amar se Aprende Amando. Rio de Janeiro: Ed. Record, 1985. 5º ed.

BACHELARD, G. La Flamme d`une Chandelle. Paris: Quadrige/ PUF, 2004. 4º ed.

_______________. O Ar e os Sonhos: Ensaio sobre a Imaginação do Movimento. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2001.

_______________. A Psicanálise do Fogo. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1999.

_______________. A Poética do Espaço. In: OS PENSADORES, São Paulo, Abril Cultural, pp. 181-354, 1978.

_______________. La Poétique de la rêverie. Paris: Presses Universitaires de France. 1960.

BARROS, Manoel de. Poesia Completa. São Paulo: Ed. Leya, 2010.

BROSSE, Jacques. Posface: The Life of Trees. In: RIVAL, Laura (Ed.) The Social Life of Trees: antrophological perspectives on tree symbolism. New York: Berg, pp. 299-303,1998.

BURLE MARX, Roberto. Árvores Floríferas. In: TABACOW, José (Org.). Roberto Burle Marx: Arte e Paisagem. São Paulo: Ed. Studio Nobel, 2004.

CALVINO, Ítalo. O Barão das Árvores. (CALVINO, 1996) Le Baron Perché. Paris: Éditions du Seuil, 1996.

______________. Seis Propostas para o Próximo Milênio. Lições Americanas. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 1990.

CERBONE, David R. Fenomenologia. Tradução de Caesar Souza. Rio de Janeiro/ Petrópolis: Ed. Vozes (Série Pensamento Moderno), 2013.

CRICHYNO, Jorge. A Árvore Urbana como Símbolo Poético da Memória Social em Bairros Históricos de Niterói. In: Revista Geograficidade. v.3, n.1, pp. 59-65, Verão 2013.

DANIELS, Stephen; COSGROVE, Denis. Introduction: Iconography and Landscape. In: COSGROVE, Denis; DANIELS, Stephen. (Ed.) Iconography and Landscape: essays on the symbolic representation, design and use of past enviromnents. Cambridge Studies in Historical Geography. Cambridge: University Press, pp. 1-10, 2002.

DORFLES, Gilio. Mythes et Rites d`Anjourd `hui. Paris: Editions Klincksiek, 1975.

DURAND, Gilbert.L`Imaginaire: Essai sur les Siences et La Philosophie d`Image. Paris: Hatiier, 1994. Optiques Philosophie.

FARAH, Ivete. A Poética das Árvores Urbanas. Rio de Janeiro. Ed. Mauad X: FAPERJ, 2008.

GRUBER, Jussara Gomes. (Org.) O Livro das Árvores. Benjamin Constant: Organização Geral dos Professores Ticuna Bilíngues, 1997.

HEIDEGGER, M. Ensaios e Conferências. Tradução Emmanuel Carneiro Leão, Gilvan Vogel e Márcia Sá Cavalcanti Schuback. Petrópolis. Ed. Vozes, 2008.

______________. A Caminho da Linguagem. Tradução de Marcia Sá Cavalcante. Petrópolis: Ed. Vozes, 2000.

_______________. Language. In M. Heidegger. Poetry, language, thought. (Albert Hofstader, trad.). New York: Harper & Row. (Obra original In Unterwegs zur Sprache (1959), Pfullingen, Verlag Günther Neske). 1971.

HOLZER, Werther. O Método Fenomenológico: humanismo e a construção de uma nova Geografia. In: CORRÊA, R. L. e ROSENDAHL, Z. (Orgs.). Revista de Geografia Cultural. Rio de Janeiro: EDUERJ, pp. 37-71. 2010.

LYOTARD, Jean-François. A Fenomenologia. Lisboa: Edições 70, s.d.

MARANDOLA Jr., E.; OLIVEIRA, Lívia. Caminhos Geográficos para a Literatura. In: ALVES, Ida Ferreira; FEITOSA, Maria Miguel (Orgs.). Literatura e Paisagem: perspectivas e diálogos. Niterói: EDUFF, 2013.

MARANDOLA Jr., E.; HOLZER, Werther e OLIVEIRA, Lívia de (orgs). Qual o Espaço do Lugar? São Paulo: Editora Perspectiva. 2012.

MEIRELES, Cecília. Obra Poética. Biblioteca Luso-Brasileira. Série Brasileira. Volume Único. Rio de Janeiro: Ed. Nova Aguiar, 1983.

MURAD, Carlos. The Tree and the Dreamscape in the photographic imagination. In: 70th Conference of the Internacional Society of Arboriculture, 1994. Halifax.

NORBERG-SCHULZ, Christian. L’Art du Lieu: Architecture et Paysage, Permanence et Mutations. Paris: Le Moniteur, 1997.

PARISOT, Roger. L`Arbre. Puiseaux: Pardès, 1998, 2ª ed.

POCOCK, D. C. D. The Novelist´s Image of the North, Transactions, vol. 4, n. 1, pp. 62-76, 1979. (Ed.) Humanistic Geography and Literature – essays on the experience of place. London: Croom Helm, 1981.

PÖGGELER, Otto. A via do Pensamento de Martin Heidegger. Tradução Jorge Telles de Menezes. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

SANSOT, Pierre. L’ Affection paysagere. In: ROGER, Alain(dir.). La Théorie du Paysage em France. (1974-1994). Seyssel: Editions Champ Vallon, pp. 153-167, 1995.

TUAN, Yi-Fu. Place: an experiential perspective. Geographical Review, 65 (2): pp. 151-165, 1975.

__________. Espaço e Lugar. São Paulo. Difel, 1983, 250p.

WHITE, Kenneth, Elements of Geopoetics. Edinburgh Review, v. 88, pp. 163-178, 1992.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2017.71.a12970

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.