Fenomenologia do lugar poético no imaginário arbóreo do Parque do Flamengo / Phenomenology of the poetic place in the tree imaginary Flamengo Park

Jorge Crichyno

Resumo


O tema tratado neste artigo refere-se ao lugar poético do imaginário arbóreo e suas repercussões e ressonâncias na paisagem, buscando elucidar a componente arbórea enquanto potência imaginal. Na perspectiva de compreendermos essa diversidade de sentidos, o trabalho investiga a presença das árvores no Parque do Flamengo - Rio de Janeiro, desvendando os significados simbólicos e os elos que se estabelecem com os sujeitos, configurando assim uma fenomenologia poética do lugar arborescente. O caminho pelo qual se desenvolve este estudo é através da análise de fontes poéticas (poemas) que abrangem as obras de três poetas nacionais: Cecília Meireles, Carlos Drummond de Andrade e Manoel de Barros, promovendo um material reflexivo para a identificação das estruturas imaginantes e dos dinamismos indutores da imagem-árvore. O principal aporte teórico-conceitual é dado pelos fundamentos de Gaston Bachelard e de Martin Heidegger, a partir dos quais se pretende explorar a árvore enquanto imagem poética e do lugar no habitar, considerando-os como base constitutiva do imaginário arbóreo urbano existente no Parque do Flamengo.


Palavras-chave


Fenomenologia;Lugar Poético; Imaginário Arbóreo; Parque do Flamengo

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Carlos Drummond. Antologia poética. Rio de Janeiro: Ed. Record, 2001.

_________________________. Crônicas: 1930 -1934. Belo Horizonte: Secretaria do Estado da Cultura de Minas Gerais, 1987.

_________________________. Amar se Aprende Amando. Rio de Janeiro: Ed. Record, 1985. 5º ed.

BACHELARD, G. La Flamme d`une Chandelle. Paris: Quadrige/ PUF, 2004. 4º ed.

_______________. O Ar e os Sonhos: Ensaio sobre a Imaginação do Movimento. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2001.

_______________. A Psicanálise do Fogo. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1999.

_______________. A Poética do Espaço. In: OS PENSADORES, São Paulo, Abril Cultural, pp. 181-354, 1978.

_______________. La Poétique de la rêverie. Paris: Presses Universitaires de France. 1960.

BARROS, Manoel de. Poesia Completa. São Paulo: Ed. Leya, 2010.

BROSSE, Jacques. Posface: The Life of Trees. In: RIVAL, Laura (Ed.) The Social Life of Trees: antrophological perspectives on tree symbolism. New York: Berg, pp. 299-303,1998.

BURLE MARX, Roberto. Árvores Floríferas. In: TABACOW, José (Org.). Roberto Burle Marx: Arte e Paisagem. São Paulo: Ed. Studio Nobel, 2004.

CALVINO, Ítalo. O Barão das Árvores. (CALVINO, 1996) Le Baron Perché. Paris: Éditions du Seuil, 1996.

______________. Seis Propostas para o Próximo Milênio. Lições Americanas. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 1990.

CERBONE, David R. Fenomenologia. Tradução de Caesar Souza. Rio de Janeiro/ Petrópolis: Ed. Vozes (Série Pensamento Moderno), 2013.

CRICHYNO, Jorge. A Árvore Urbana como Símbolo Poético da Memória Social em Bairros Históricos de Niterói. In: Revista Geograficidade. v.3, n.1, pp. 59-65, Verão 2013.

DANIELS, Stephen; COSGROVE, Denis. Introduction: Iconography and Landscape. In: COSGROVE, Denis; DANIELS, Stephen. (Ed.) Iconography and Landscape: essays on the symbolic representation, design and use of past enviromnents. Cambridge Studies in Historical Geography. Cambridge: University Press, pp. 1-10, 2002.

DORFLES, Gilio. Mythes et Rites d`Anjourd `hui. Paris: Editions Klincksiek, 1975.

DURAND, Gilbert.L`Imaginaire: Essai sur les Siences et La Philosophie d`Image. Paris: Hatiier, 1994. Optiques Philosophie.

FARAH, Ivete. A Poética das Árvores Urbanas. Rio de Janeiro. Ed. Mauad X: FAPERJ, 2008.

GRUBER, Jussara Gomes. (Org.) O Livro das Árvores. Benjamin Constant: Organização Geral dos Professores Ticuna Bilíngues, 1997.

HEIDEGGER, M. Ensaios e Conferências. Tradução Emmanuel Carneiro Leão, Gilvan Vogel e Márcia Sá Cavalcanti Schuback. Petrópolis. Ed. Vozes, 2008.

______________. A Caminho da Linguagem. Tradução de Marcia Sá Cavalcante. Petrópolis: Ed. Vozes, 2000.

_______________. Language. In M. Heidegger. Poetry, language, thought. (Albert Hofstader, trad.). New York: Harper & Row. (Obra original In Unterwegs zur Sprache (1959), Pfullingen, Verlag Günther Neske). 1971.

HOLZER, Werther. O Método Fenomenológico: humanismo e a construção de uma nova Geografia. In: CORRÊA, R. L. e ROSENDAHL, Z. (Orgs.). Revista de Geografia Cultural. Rio de Janeiro: EDUERJ, pp. 37-71. 2010.

LYOTARD, Jean-François. A Fenomenologia. Lisboa: Edições 70, s.d.

MARANDOLA Jr., E.; OLIVEIRA, Lívia. Caminhos Geográficos para a Literatura. In: ALVES, Ida Ferreira; FEITOSA, Maria Miguel (Orgs.). Literatura e Paisagem: perspectivas e diálogos. Niterói: EDUFF, 2013.

MARANDOLA Jr., E.; HOLZER, Werther e OLIVEIRA, Lívia de (orgs). Qual o Espaço do Lugar? São Paulo: Editora Perspectiva. 2012.

MEIRELES, Cecília. Obra Poética. Biblioteca Luso-Brasileira. Série Brasileira. Volume Único. Rio de Janeiro: Ed. Nova Aguiar, 1983.

MURAD, Carlos. The Tree and the Dreamscape in the photographic imagination. In: 70th Conference of the Internacional Society of Arboriculture, 1994. Halifax.

NORBERG-SCHULZ, Christian. L’Art du Lieu: Architecture et Paysage, Permanence et Mutations. Paris: Le Moniteur, 1997.

PARISOT, Roger. L`Arbre. Puiseaux: Pardès, 1998, 2ª ed.

POCOCK, D. C. D. The Novelist´s Image of the North, Transactions, vol. 4, n. 1, pp. 62-76, 1979. (Ed.) Humanistic Geography and Literature – essays on the experience of place. London: Croom Helm, 1981.

PÖGGELER, Otto. A via do Pensamento de Martin Heidegger. Tradução Jorge Telles de Menezes. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

SANSOT, Pierre. L’ Affection paysagere. In: ROGER, Alain(dir.). La Théorie du Paysage em France. (1974-1994). Seyssel: Editions Champ Vallon, pp. 153-167, 1995.

TUAN, Yi-Fu. Place: an experiential perspective. Geographical Review, 65 (2): pp. 151-165, 1975.

__________. Espaço e Lugar. São Paulo. Difel, 1983, 250p.

WHITE, Kenneth, Elements of Geopoetics. Edinburgh Review, v. 88, pp. 163-178, 1992.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2017.71.a12970

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.