Reflexões teóricas sobre a inserção do graffiti e da pichação na paisagem urbana: uma arte "contra-racional"? / Theoretical reflections about graffiti insert in urban landscape: an “counter-rational” art?

Fernando Domingues Caetano

Resumo


As paisagens urbanas estão impregnadas de manifestações artísticas e culturais que fazem parte do cotidiano das pessoas que moram em cidades. A arte pública é incorporada à paisagem urbana de diferentes modos, sendo o graffiti e a pichação uma das principais formas de manifestação deste tipo de arte. O objetivo do presente artigo é explorar abordagens teóricas que, por meio do graffiti e da pichação, discutem a relação dialética estabelecida entre arte, movimentos de resistência e paisagem urbana. O exercício de olhar de forma crítica para o graffiti e a pichação enquanto formas de manifestação da arte urbana demanda necessariamente por parte da crítica uma reflexão sobre o que é arte. A reflexão ampla sobre as formas de arte urbana, representadas pelo graffiti e a pichação, induz a aprofundar o debate sobre a democracia da paisagem urbana.

 


Palavras-chave


Paisagem Urbana; Arte; Graffiti; Pichação; Geografia Cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, J. L. A arte de representar como reconhecimento do mundo: o espaço geográfico, o cinema e o imaginário social. Geographia, v. 2, n. 3, p. 69-88, 2009. Disponível em: Acesso em: set. 2015.

BARJA, W. Intervenção/terinvenção: a arte de inventar e intervir diretamente sobre o urbano, suas categorias e o impacto no cotidiano. Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação, v. 1, n. 2, 2008. Disponível em: Acesso em: set. 2015.

CAMPOS, R. Entre as luzes e as sombras da cidade: visibilidade e invisibilidade no graffiti. Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, v. 13, n. 1, p. 145-170, 2009. Disponível em: < http://etnografica.revues.org/1292?lang=en&gathStatIcon=true> Acesso em: out. 2015.

CAMPOS, R. Liberta o herói que há em ti: risco, mérito e transcendência no universo graffiti. Tempo soc., São Paulo, v. 25, n. 2, p. 205-225, Nov. 2013. Disponível em: . Acesso em: out. 2015.

GONÇALVES, F. N.; ESTRELLA, C. Comunicação, arte e invasões artísticas na cidade. Logos 26: Comunicação e conflitos urbanos. Ano 14, 1º semestre, 2007. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/ojs/index.php/logos/ article/viewFile/15536/11764#page=98 Acesso em: out. 2015.

LINHARES, J. K. O.; RODRIGUES, J. S.; BRAGA, M. M. S. Explorando as dimensões da arte urbana a partir das apropriações. XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - INTERCOM, 37, 2015, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Local da publicação São Paulo: Intercom, 2015. Disponível em: Acesso em: set.2015.

LÓPEZ, A. J. El arte de lacalle. Reis: Revista Española de Investigaciones Sociológicas, 84, pp. 173-194, 1998. Disponível em: Acesso em: set. 2015.

MEINIG, D. O olho que observa: dez versões da mesma cena. Espaço e cultura, n. 13, 2002, p. 35-46. Disponível em: < http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/espacoecultura/article/view/ 7762/5610> Acesso em: maio 2016.

MONDARDO, M. L.; GOETTERT, J. D. Territórios simbólicos e de resistência na cidade: grafias da pichação e do grafite. Terr@ Plural, v. 2, n. 2, p. 293-308, 2008. Disponível em: Acesso em: set. 2015.

OLIVEIRA, D. A.; TARTAGLIA, L. Ensaio sobre uma geo-grafia dos graffitis. GEOgraphia, v. 11, n. 22, p. 59-88, 2011. Disponível em: Acesso em: set. 2015.

PROSSER, E. Arte da rua, caricatura e gravura: crítica e política. In: Fórum de Pesquisa Científica em Arte. 2005. Curitiba. Anais IV Fórum de Pesquisa Científica em Arte, Curitiba, outubro de 2005. Curitiba: EMBAP, 2006. Disponível em: < http://www.embap.pr.gov.br/arquivos/File/anais4/ elisabeth_ prosser.pdf> Acesso em: set. 2015.

TARTAGLIA, L. A paisagem e o grafite na cidade do Rio de Janeiro. Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, n.7, 2013, p.191-202. Disponível em: Acesso em: set. 2015.

TARTAGLIA, L. O visível e o invisível: Paisagem urbana e arte pública. Élisée-Revista de Geografia da UEG, v. 4, n. 1, p. 126-139, 2015. Disponível em: Acesso em: out. 2015.

SANTOS, J. M.O. O graffiti e a pixação: desvendando as geografias destas artes na cidade do salvador. In: XIII Simpósio Nacional de Geografia Urbana. 2013. Rio de Janeiro. Anais eletrônicos do XIII Simpósio Nacional de Geografia Urbana, Rio de Janeiro, 2013. Rio de Janeiro: UERJ, 2013. Disponível em: Acesso em: out. 2015.

SPINELLI, L. Pichação e comunicação: um código sem regra. Logos, v. 14, n. 1, p. 111-121, 2007. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/logos/article/view/15234/11536 Acesso em: maio 2016.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2017.71.a12972

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.