Lugares no movimento: experiências estudantis na migração pendular para o Campus X - UEPA/Igarapé-Açu (PA) / Places in move: student experiences in commuting migration to the campus X - UEPA/Igarapé-Açu (PA)

Felipe Ferreira Moreira

Resumo


No município de Igarapé-Açu, Estado do Pará, está localizado o Campus X, da Universidade do Estado do Pará, para o qual, vários estudantes universitários empreendem diversos tipos de migração, entre as quais, a migração pendular. O objetivo central deste estudo foi compreender as reestruturações nos sentidos de lugar dos estudantes-migrantes em seus espaços de trânsito/enraizamento, dentro de uma dinâmica pendular diária para Igarapé-Açu. Utilizando o método fenomenológico, entrevistamos quatro estudantes-migrantes para compreender como este fenômeno migratório aponta caminhos que indicam implicações nas experiências de migrantes pendulares em meio a um cotidiano de intensa mobilidade, responsável por (re)estruturar percepções e significações sobre os sentidos dos lugares em meio ao trânsito constante. Percebemos novas rotinas e significações nas relações dos migrantes com os lugares, com as pessoas e com o próprio ato de morar, terminando por fomentar percepções de transitoriedade enquanto espacialização de instabilidades e ressignificações nas relações migrante-lugar.


Palavras-chave


Migração pendular; Estudante-Migrante; Lugar; Igarapé-Açu

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Abril Cultural, 1974 (Coleção Os Pensadores).

BANDEIRA, Manuel. Vou-me embora pra Pasárgada. In: ANDRADE, Carlos D. (Org.). Bandeira a vida inteira. Rio de Janeiro: Ed. Alumbramento, 1986. p.90.

BARBOSA, Alexandre M. Ciência e experiência: um ensaio sobre a fenomenologia do espirito de Hegel. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

BARROS, Lydia G. Tecnobrega: a legitimação de um estilo musical estigmatizado no contexto do novo paradigma da crítica musical. 2011. 226p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco, CAC. Comunicação, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

BUTTIMER, Anne. Lar, horizontes de alcance e o sentido de Lugar. Geograficidade, v. 5, n. 1, p. 4-19, Verão de 2015.

BRAGA, Letícia C. Caminhos pela Geografia Humanista: lugar, vulnerabilidade e fenomenologia. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, 16, Porto Alegre, 25-31 de Julho de 2010. Anais do XVI Encontro Nacional de Geógrafos. Porto Alegre: AGB, 2010. p. 1-8.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico - 2010. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 13 de Setembro de 2015a.

_______. Ministério da Educação. Instituições de educação superior e cursos cadastrados. Disponível em: http://emec.mec.gov.br/. Acesso em: 13 de Setembro de 2015b.

CLAVAL, Paul. A Geografia Cultural. 3. Ed. Florianópolis: Ed. UFSC, 2007.

DARTIGUES, André. O que é Fenomenologia? 32. Ed. São Paulo: Ed. Moraes, 1992.

DAL GALLO, Priscila M. A experiência de ser migrante: entre identidades e transitoriedades. 2010. 70p. Monografia (Bacharelado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

______________; MARANDOLA JR, Eduardo. O método do diário: buscando a experiência de ser migrante. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 4, n. 3, p. 173-185, UFG/IESA, Agosto de 2010.

______________. Lugar e identidade na experiência migrante: entre eventualidade e transitoriedade. Geograficidade, v. 1, n. 1, p. 44-58, Inverno de 2011.

HAESBAERT, Rogério. Hibridismo, mobilidade e multiterritorialidade numa perspectiva Geográfico-Cultural integradora. In: SERPA, Ângelo. (Org.). Espaços culturais: vivências, imaginações e representações. Salvador: EDUFBA, 2008. Epílogo, p. 393-419.

HEIDEMANN, Heinz D. Os migrantes e a crise da sociedade do trabalho: humilhação secundária, resistência e emancipação. In: Serviço Pastoral dos Migrantes (Org.). Migrações: discriminações e alternativas. São Paulo: Ed. Paulinas, 2004. Cap. 2, p. 24-39.

HOLZER, Werther. Sobre territórios e lugaridades. Cidades, v.10, n. 17, p 18-29, 2013.

ITABORAHY, Nathan Z. Imagens geográficas dos caminhos da pesquisa: confissões cotidianas espacializadas. Geograficidade, v. 3, n. 1, p. 39-49, Verão de 2013.

JARDIM, Antônio P. Algumas reflexões sobre o estudo das migrações pendulares. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES, 5, Campinas, 15-17 de Outubro de 2007. Mesa Redonda: Movimentos pendulares: velhos e novos significados. p. 1-15.

KONESKI, Anita P. Blanchot, Levinas e a arte do estranhamento. 2007. 236p. Tese (Doutorado em Teoria Literária) - Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Literatura, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

MARANDOLA JR, Eduardo. Habitar em risco: mobilidade e vulnerabilidade na experiência metropolitana. 2008. 278p. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 29 de Fevereiro de 2008.

_______________; DAL GALLO, P. M. Ser migrante: implicações territoriais e existenciais da migração. In: Anais do VI Encontro Nacional sobre Migrações. Belo Horizonte, 2009. Disponível em: http://www.abep.nepo.unicamp.br/docs/anais/outros/6encnacsobremigracoes/st3/marandola_2.pdf. Acesso em: 13 de Novembro de 2014.

MEDEIROS, Aline L. N. Tecendo geografias em viagens. 2014. 143p. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Geografia) – Instituto de Geociências, Departamento de Geografia, Universidade Federal de Minas gerais, Belo Horizonte.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 2. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

_________________. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 2007.

MINAYO, Maria C. S. Trabalho de campo: contexto de observação, interação e descoberta. In:__________. (Org.). DESLANDES, Suely F.; GOMES, Romeu. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28 Ed. Petrópolis: Vozes, 2009. Cap. 3, p. 61-77.

MONDARDO, Marcos L. Estudos migratórios na modernidade e na pós-modernidade: do econômico ao cultural? Terra Livre: A Geografia no Tempo de Novos Conhecimentos, Presidente Prudente, Ano 23, v. 2, n. 29, p. 51-74, AGB, Agosto/Dezembro de 2007.

RELPH, Edward. Reflexões sobre a emergência, aspectos e essência do Lugar. In: MARANDOLA JR., Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia de. (Orgs.). Qual o espaço do Lugar? São Paulo: Perspectiva, 2012. p. 17-32.

SEAMON, David. Corpo-sujeito, rotinas espaço-temporais e danças-do-lugar. Geograficidade, v. 3, n. 2, p. 4-18, Inverno de 2013.

STEIN, Carlos. et.al. O astronauta de mármore. Intérprete: Nenhum de Nós. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ZmhSbgs5MCw. Acesso em: 23 de Março de 2015.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.

TRINDADE JR, Saint-Clair C. Cidades médias na Amazônia Oriental: das novas centralidades à fragmentação do território. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 13, n.2, p.135-151, Novembro de 2011.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2017.71.a12973

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.