A geopoética do habitar na amazônia marajoara (Pará): fenomenologia da experiência ribeirinha / The dwell geopoetics in the amazon marajoara (Pará): phenomenology of riverside experience

Felipe Kevin Ramos da Silva

Resumo


O presente estudo tem como recorte espacial a comunidade ribeirinha “Joaquim Antônio”, pertencente ao município de Muaná, mesorregião do Marajó (PA), com objetivo de compreender a relação entre os habitantes do lugar e seu mundo circundante (Unwelt), no contexto do espaço vivido e da dinâmica socioambiental da comunidade, resgatada na memória, percepção e vivência comunitária. Metodologicamente, estabelece-se diálogos entre a fenomenologia e existencialismo como procedimento indissociável de se pensar um projeto humanista em geografia, admitindo a existência da geopoética do habitar ribeirinho, que se concretiza por via das experiências cotidianas, nas atitudes e valores ambientais como dimensões da cultura ribeirinha marajoara. Descrever que poeticamente o homem habita em nosso contexto é antes de qualquer coisa, reconhecer que a Amazônia não é um “espaço vazio”, mas constituída por geograficidades diversas.


Palavras-chave


Fenomenologia. Habitar. Linguagem. Lugar. Paisagem. Muaná.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, D. D. et al. Campos e florestas das bacias dos Atuá e Anajás, ilha do Marajó, Pará. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2007.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

BESSE, J. M. Geografia e Existência a partir da obra de Eric Dardel. In: DARDEL, E. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2015, p.111-139.

BACHELARD, G. A poética do espaço. In: A filosofia do não; O novo espírito científico; A poética do espaço. Seleção de textos de José Américo Motta Pessanha. Traduções de Joaquim José Moura Ramos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

BECKER, B. K. Geopolítica da Amazônia. Estudos avançados, v.19, n.53, p.71-86, 2005.

BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução de Padre Antônio Pereira de Figueredo. Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica, 1980.

CLAVAL, P. “A volta do cultural” na Geografia. Mercator – Revista de Geografia da UFC, v.01, p.19-28, 2002.

COSTA, V. E. S. M.; MEDEIROS, M. O tempo vivido na perspectiva fenomenológica de Eugène Minkowski. Psicologia em Estudo, v.14, n.2, p.375-383, 2009.

DARDEL, E. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2015.

DAL GALLO, P. M. A ontologia da Geografia à luz da obra de arte: o embate Terra-mundo em "Out of Africa". Dissertação (mestrado). Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP: 2015.

EPÍCURO. Carta sobre a felicidade. Trad. Arrighetti. Epicuro. Opere. Torino, 2007.

FURTADO, L. G. Pescadores do rio Amazonas: um estudo antropológico da pesca ribeirinha numa área amazônica. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1993.

FOUCAULT, M. Outros espaços. Ditos e Escritos, vol III, p.411-122, 2001.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOMES, R. A. A. A paisagem na obra de Lowenthal: um percurso a partir das confluências entre cultura e memória. Geograficidade, v.6, n.2, p.13-29, 2016.

HEIDEGGER, M. Construir, habitar, pensar. In: Ensaios e Conferências. Trad. Emanuel C. Leão. Petrópoles: Vozes, 2001

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. 2ª Ed. Trad. Márcia de Sá Cavalcanti. Petrópolis: Editora Vozes, 1988.

HEIDEGGER, M. A caminho da linguagem. Trad. Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 2003.

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, SOCIAL E AMBIENTAL DO PARÁ – IDESP. Muaná: estatística municipal. Belém: Governo do Pará; Sepof; Idesp; 2011.

LISPECTOR, C. Aprendendo a viver. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

LOUREIRO, V. R. Amazônia: uma história de perdas e danos, um futuro a (re)construir. Estudos Avançados, v.16, n.45, p.107-121, 2002.

LOUREIRO, J. de J. P. Meditação devaneante entre o rio e a floresta. Arteriais, v.3, n.3, p.8, 2016.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

MERLEAU-PONTY, M. A natureza: notas: cursos no Collège de France. São Paulo, 2000.

NIETZSCHE, F. Vontade de Potência. Trad. Antônio Carlos Braga e Ciro Mioranza. São Paulo: Escala, 2010.

NUNES, B. A clave para o poético. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

OLIVEIRA, L. de. Que é geografia. Sociedade & Natureza, Uberlândia, Ano 11, n.21 e 22, p.89-95, jan./dez. 1999.

OLIVEIRA, L. de. O sentido de lugar. In: MARANDOLA JR et al. (org.). Qual o espaço do lugar? São Paulo: Perspectiva, 2015, p.3-32.

PEREIRA, E. A. D. As encruzilhadas das territorialidades ribeirinhas: transformações no exercício espacial do poder em comunidades ribeirinhas da Amazônia Tocantina paraense. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2014.

PANTOJA, W. W. R. Educação do Campo à beira da “Faixa”: a (in)existência do lugar como espacialização do fenômeno. GeoTextos, v.11, n.2, 2015a.

PANTOJA, W. W. R. O princípio geográfico de conexão frente à “universalização do ensino básico” no Brasil – o caso transamazônico (no estado do Pará). Geosul, v.30, n.60, p.165-190, 2015b.

RELPH, E. An inquiry into the relations between phenomenology and geography. The Canadian Geographer, v.14, n.3, p.193-201, 1970.

SAINT-EXPÉRY, A. de. O pequeno príncipe. 1ª Ed. São Paulo: Escala, 2015.

SARTRE, J. S. O existencialismo é um humanismo. Trad. de João Batista Kreuch. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

SARTRE, J. S. O que é a subjetividade? Trad. Estela dos Santos Abreu. 1. Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

SILVA, A. C. A aparência, o Ser e a forma – geografia e método. GEOgraphia, v.2, n.3, p.7-25, 2009.

SILVA, F. K. R. Geografia e Fenomenologia: por uma ontologia do espaço e do lugar. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Licenciatura Plena em Geografia). Universidade do Estado do Pará, Belém, 2015, 94p.

SILVA, F. K. R. Memória, Percepção & Experiência: a geopoética do habitar ribeirinho na Amazônia-Marajoara (Pará). Dissertação (Mestrado em Geografia). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Federal do Pará, Belém, 2017, 152p.

TUAN, Yi-Fu Topofilia: um estudo da percepção. Trad. Lívia de Oliveira. Londrina: Eduel, 2012.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva experiência. Trad. Lívia de Oliveira. Londrina: Eduel, 2013.

WRIGHT, J. K. Terrae incognitae: o lugar da imaginação na geografia. Geograficidade, v.4, n.2, p.4-18, 2014.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2017.72.a12982

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.