A geopoética do habitar na amazônia marajoara (Pará): fenomenologia da experiência ribeirinha / The dwell geopoetics in the amazon marajoara (Pará): phenomenology of riverside experience

Felipe Kevin Ramos da Silva

Resumo


O presente estudo tem como recorte espacial a comunidade ribeirinha “Joaquim Antônio”, pertencente ao município de Muaná, mesorregião do Marajó (PA), com objetivo de compreender a relação entre os habitantes do lugar e seu mundo circundante (Unwelt), no contexto do espaço vivido e da dinâmica socioambiental da comunidade, resgatada na memória, percepção e vivência comunitária. Metodologicamente, estabelece-se diálogos entre a fenomenologia e existencialismo como procedimento indissociável de se pensar um projeto humanista em geografia, admitindo a existência da geopoética do habitar ribeirinho, que se concretiza por via das experiências cotidianas, nas atitudes e valores ambientais como dimensões da cultura ribeirinha marajoara. Descrever que poeticamente o homem habita em nosso contexto é antes de qualquer coisa, reconhecer que a Amazônia não é um “espaço vazio”, mas constituída por geograficidades diversas.


Palavras-chave


Fenomenologia. Habitar. Linguagem. Lugar. Paisagem. Muaná.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, D. D. et al. Campos e florestas das bacias dos Atuá e Anajás, ilha do Marajó, Pará. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2007.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

BESSE, J. M. Geografia e Existência a partir da obra de Eric Dardel. In: DARDEL, E. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2015, p.111-139.

BACHELARD, G. A poética do espaço. In: A filosofia do não; O novo espírito científico; A poética do espaço. Seleção de textos de José Américo Motta Pessanha. Traduções de Joaquim José Moura Ramos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

BECKER, B. K. Geopolítica da Amazônia. Estudos avançados, v.19, n.53, p.71-86, 2005.

BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução de Padre Antônio Pereira de Figueredo. Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica, 1980.

CLAVAL, P. “A volta do cultural” na Geografia. Mercator – Revista de Geografia da UFC, v.01, p.19-28, 2002.

COSTA, V. E. S. M.; MEDEIROS, M. O tempo vivido na perspectiva fenomenológica de Eugène Minkowski. Psicologia em Estudo, v.14, n.2, p.375-383, 2009.

DARDEL, E. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2015.

DAL GALLO, P. M. A ontologia da Geografia à luz da obra de arte: o embate Terra-mundo em "Out of Africa". Dissertação (mestrado). Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP: 2015.

EPÍCURO. Carta sobre a felicidade. Trad. Arrighetti. Epicuro. Opere. Torino, 2007.

FURTADO, L. G. Pescadores do rio Amazonas: um estudo antropológico da pesca ribeirinha numa área amazônica. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1993.

FOUCAULT, M. Outros espaços. Ditos e Escritos, vol III, p.411-122, 2001.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOMES, R. A. A. A paisagem na obra de Lowenthal: um percurso a partir das confluências entre cultura e memória. Geograficidade, v.6, n.2, p.13-29, 2016.

HEIDEGGER, M. Construir, habitar, pensar. In: Ensaios e Conferências. Trad. Emanuel C. Leão. Petrópoles: Vozes, 2001

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. 2ª Ed. Trad. Márcia de Sá Cavalcanti. Petrópolis: Editora Vozes, 1988.

HEIDEGGER, M. A caminho da linguagem. Trad. Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 2003.

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, SOCIAL E AMBIENTAL DO PARÁ – IDESP. Muaná: estatística municipal. Belém: Governo do Pará; Sepof; Idesp; 2011.

LISPECTOR, C. Aprendendo a viver. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

LOUREIRO, V. R. Amazônia: uma história de perdas e danos, um futuro a (re)construir. Estudos Avançados, v.16, n.45, p.107-121, 2002.

LOUREIRO, J. de J. P. Meditação devaneante entre o rio e a floresta. Arteriais, v.3, n.3, p.8, 2016.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

MERLEAU-PONTY, M. A natureza: notas: cursos no Collège de France. São Paulo, 2000.

NIETZSCHE, F. Vontade de Potência. Trad. Antônio Carlos Braga e Ciro Mioranza. São Paulo: Escala, 2010.

NUNES, B. A clave para o poético. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

OLIVEIRA, L. de. Que é geografia. Sociedade & Natureza, Uberlândia, Ano 11, n.21 e 22, p.89-95, jan./dez. 1999.

OLIVEIRA, L. de. O sentido de lugar. In: MARANDOLA JR et al. (org.). Qual o espaço do lugar? São Paulo: Perspectiva, 2015, p.3-32.

PEREIRA, E. A. D. As encruzilhadas das territorialidades ribeirinhas: transformações no exercício espacial do poder em comunidades ribeirinhas da Amazônia Tocantina paraense. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2014.

PANTOJA, W. W. R. Educação do Campo à beira da “Faixa”: a (in)existência do lugar como espacialização do fenômeno. GeoTextos, v.11, n.2, 2015a.

PANTOJA, W. W. R. O princípio geográfico de conexão frente à “universalização do ensino básico” no Brasil – o caso transamazônico (no estado do Pará). Geosul, v.30, n.60, p.165-190, 2015b.

RELPH, E. An inquiry into the relations between phenomenology and geography. The Canadian Geographer, v.14, n.3, p.193-201, 1970.

SAINT-EXPÉRY, A. de. O pequeno príncipe. 1ª Ed. São Paulo: Escala, 2015.

SARTRE, J. S. O existencialismo é um humanismo. Trad. de João Batista Kreuch. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

SARTRE, J. S. O que é a subjetividade? Trad. Estela dos Santos Abreu. 1. Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

SILVA, A. C. A aparência, o Ser e a forma – geografia e método. GEOgraphia, v.2, n.3, p.7-25, 2009.

SILVA, F. K. R. Geografia e Fenomenologia: por uma ontologia do espaço e do lugar. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Licenciatura Plena em Geografia). Universidade do Estado do Pará, Belém, 2015, 94p.

SILVA, F. K. R. Memória, Percepção & Experiência: a geopoética do habitar ribeirinho na Amazônia-Marajoara (Pará). Dissertação (Mestrado em Geografia). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Federal do Pará, Belém, 2017, 152p.

TUAN, Yi-Fu Topofilia: um estudo da percepção. Trad. Lívia de Oliveira. Londrina: Eduel, 2012.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva experiência. Trad. Lívia de Oliveira. Londrina: Eduel, 2013.

WRIGHT, J. K. Terrae incognitae: o lugar da imaginação na geografia. Geograficidade, v.4, n.2, p.4-18, 2014.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2017.72.a12982

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.