Paisagens transculturais – um olhar para a periferia carioca em tempos do transconhecimento / Transcultural landscapes - a look at the outskirts of Rio de Janeiro in times of transcognition

Jorge Baptista Azevedo

Resumo


Este artigo resgata a conferência realizada em 12 de novembro de 2015, no Seminário Internacional “A Periferia da Paisagem”, realizado na Escola de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense. A partir de reflexões sobre aspectos que ameaçam a vida social nas grandes cidades contemporâneas, se apresentam as condições de multiculturalidade em contraponto com a urgência da transculturalidade para a produção de novas formas de convívio sociocultural. A seguir é elaborada uma definição para o conceito de paisagem transcultural e da sua produção inventiva, através do processo de heterogênese, observados a partir de “entre-lugares” e nas “heterotopias”, que também são explicitados. O transconhecimento é valorizado como ferramenta, inclusive para o reconhecimento da importância sociocultural dos lugares caracterizados pela capacidade de celebração da existência, produção do sentimento de bonheur e pertencimento. E nesse sentido destaca aspectos observados nas paisagens da periferia carioca. Esse escrito é uma contribuição para a teoria da paisagem que se associa com a filosofia e a geografia fenomenológica e cultural.


Palavras-chave


Paisagem. Transculturalidade. Heterogênese. Transconhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Valci Rubens Oliveira de. Da paisagem Natural à Paisagem inventada - a cultura dos jardins urbanos em Belém. 2012. Tese (Doutorado em Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional) - IPPUR Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

ANTUNES, Arnaldo. Inclassificáveis. In: Silêncio. São Paulo: BMG, 1996. 1 CD.

ARENDT, Hanna. A Condição Humana. 10ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

AZEVEDO, Jorge Baptista de. A estética da ruralidade nas paisagens urbanas e sua presença no Rio de Janeiro. 2008. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geografia, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

AZEVEDO, Jorge Baptista de; MONTEIRO, Marcus. Inventário dos bens culturais de Nilópolis – arquiteturas e paisagens culturais. Nilópolis: Prefeitura Municipal de Nilópolis. Acervo Brasil Projetos Culturais, 2012.

BADIOU, Alain. Métaphysique du Bonheur réel. Paris: Presses Universitaires de France, 2015, 90p.

BAUMAN, Zygmunt. A arte da vida. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BHABHA, Homi K. O lugar da cultura. 2 ed. Trad. Myriam Ávila Eliana Lourenço de Lima Reis; Gláucia Renate Gonçalves. Minas Gerais: Editora UFMG, 2013.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas, poderes oblíquos - estratégias para entrar e sair da modernidade. Trad. Ana Regina Lessa; Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 1997.

CANY, Bruno; POULAIN, Jacques (Ed.). Recherches d’esthetique transculturelles, Notes d’anthropologie esthétique. Paris: L’Harmattan, 2013.

CARDOSO, Isabel Lopes (cord.). Paisagem patrimônio, aproximações pluridisciplinares. Porto: Dafne Editora, Universidade de Évora, 2013.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2007.

COHEN, Daniel. Homo economicus, prophéte (égaré) des temps noveaux. Paris: Éditions Albin Michel, 2012.

CONGRESSO MUNDIAL DE TRANSDISCIPLINARIDADE, 1., 1994, Convento de Arrábida, Portugal. Carta da Transdisciplinaridade. Portugal, 1994.

FOUCAULT, Michel. Dits et écrits 1984, Des espaces autres (conferência no Cercle d'études architecturales, 14 de março 1967). Architecture, Mouvement, Continuité. n.5, outubro, 1984, p.46-49.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. São Paulo: Papirus, 1990.

GUATTARI, Félix. Caosmose- um novo paradigma estético. Trad. Ana Lúcia de Oliveira; Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

LENOIR, Fréderic. Du Bonheur, un voyage philosophique. Paris: Librairie Générale Française, 2015.

LOPES, Denilson. No coração do mundo. Rio de janeiro: Ed. Rocco, 2012.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Phénoménologie de la perception. Paris: Gallimard, 1995.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Trad. Maria D. Alexandre; Maria Alice Dória. Rio de Janeiro: Bertrand, 1988.

PEIXOTO, Paulo de Tarso de Castro. Multiculturalismo, Transculturalismo e heterogênese urbana: composições de diversos para a produção do transconhecimento. Revista Visões, nº 7, 2009, p.49-69.

POULAIN, Jacques. Mondialisations culturelles et dialogue transculturel. Paris: Essai, 2006.

PRIOREF, Luc. Le Bonheur – Anthologie de textes philosophiques et littéraires. Paris: Imprimerie Graphique de l’Ouest, 2006. 524p.

SANTOS, Carlos Nelson F. dos. A cidade como um jogo de cartas. Niterói: EDUFF; São Paulo: Projeto Editores, 1988.

SANTOS, Carlos Nelson F. dos; VOGEL, Arno. Quando a rua vira casa – a apropriação de espaços de uso coletivo em um centro de bairro. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Convênio IBAM/FINEP, 1981.

SAUER, Carl O. A morfologia da paisagem. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: Eduerj, 1998. p.12-74.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: as conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 1999, 204p.

TERRA, Carlos Gonçalves. Os jardins no Brasil no século XIX: Glaziou revisitado. 2ª Ed. Rio de Janeiro: EBA/UFRJ, 2000, 166p.

TURGEON, Laurier. Hors collection. Collectifs dirigés par des chercheurs du CELAT. Paris: Publié par L’Harmattan et Les Presses de l’Université Laval, 1998, 493p.

VELOSO, Valentim Fernandes Tavares. Paisagens do despertencimento: o caso da Praça Carlos Gianelli no centro urbano de Alcântara – São Gonçalo – RJ. 2013. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Escola de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal Fluminense, Niterói.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2018.81.a12994

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.