Habitar lá fora: ócio e experiência geográfica de crianças ao ar livre / Inhabit out there: idleness and geographical experience of children out of doors

Leandro Pessoa Vieira

Resumo


Desde a descoberta da gravidez da esposa, da chegada da filha e, consequentemente, a do nascimento de um pai, no caso, eu, me interessei e dediquei meu tempo para estudar a criança através de uma perspectiva geográfica. Assim, nesse trabalho, descrevi as experiências geográficas de crianças ao ar livre com base no emaranhado fenomenológico de Dardel e Ingold. Observando, participando, interagindo e comunicando as vivências das crianças ocorridas em espaços ao ar livre na cidade de Salvador, construí uma poético-análise, baseada nos pressupostos de Bachelard, situando as experiências geográficas de crianças e sua ressonância em mim. Ao ar livre, uma geografia sensível, íntima e fértil se revelou diante do espanto, maravilhamento e da imaginação do encontro com o espaço.


Palavras-chave


Criança. Ar livre. Experiência geográfica.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. 9. Ed. São Paulo: Perspectiva, 1972.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

BESSE, Jean-Marc. Geografia e existência a partir da obra de Eric Dardel. In: DARDEL, Eric. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2011. p. 111-139.

BESSE, Jean-Marc. Ver a Terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. São Paulo: Perspectiva, 2014.

BUDDEMEIER, Heinz. Jogos eletrônicos e realidade virtual: desafio ao bom senso na educação. São Paulo: Antroposófica, 2010.

CESAR, Constança. Razão hermenêutica e fenomenologia em Gaston Bachelard. In: SANT’ANNA, Catarina. Para ler Gaston Bachelard: ciência e arte. Salvador: EDUFBA, 2010.

CHAVEIRO, Eguimar. Corporeidade e Lugar: elos da produção da existência. In: MARANDOLA JR, Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia. Qual o espaço do lugar? São Paulo: Perspectiva, 2014.

DARDEL, Eric. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2011.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Vozes 2015.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LOUV, Richard. A última criança na natureza: resgatando nossas crianças do transtorno de déficit de natureza. 1.ed. São Paulo: Aquariana, 2016.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PEARCE, Joseph Chilton. A criança mágica: a redescoberta do plano da natureza para nossas crianças. Rio de Janeiro: F. Alves. Trad. Cinthia Barki, 1982.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.

TUAN, Yi-Fu. Paisagens do medo. São Paulo: Editora da UNESP, 2005.

WASIAK, Jason. Ser-na-cidade: uma aproximação fenomenológica da experiência tecnológica. Geograficidade, v.7, Número 1, p. 4-20, 2017.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2018.82.a13136

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.