Espaço e cultura: implicações territoriais dos eventos musicais em Pernambuco / Space and culture: territorial implications of music events in Pernambuco

Cristiano Nunes Alves, Adriana Maria Bernardes da Silva

Resumo


Buscando contribuir para as reflexões sobre a dimensão cultural do território a partir de uma teoria crítica do espaço, propomos abordar as implicações territoriais dos eventos musicais em Pernambuco, destacando os fixos, os fluxos, os agentes, as normas, os objetos e sistemas técnicos, as tipologias e as topologias associadas. Trata-se de um vigoroso momento de acionamento de materialidades e de encontro e articulação entre os mais diversos agentes. Nossa metodologia baseia-se em um levantamento bibliográfico e documental sobre a temática, bem como na reunião de informações primárias. O exame dos eventos musicais no Recife parece indicar a dialética entre o interesse apenas por diversão e o interesse pelo conteúdo musical, manifesto na ação de sujeitos criadores e difusores de uma informação do diverso, baseada em ações lugarizadas. Destaca-se ainda o intenso uso do espaço público e o debate sobre a questão dos eventos musicais gratuitos na metrópole pernambucana.


Palavras-chave


Dinâmicas socioterritoriais. Cultura. Evento. Música

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Cristiano Nunes. Os circuitos e as cenas da música na cidade do Recife: o lugar e a errância sonora. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

ALVES, Cristiano Nunes. Recife, dinâmica urbana e cena manguebeat. Ra'e ga: o Espaço Geográfico em Análise, v. 35, p. 95-125, 2015.

ANDRADE, Manuel. C. Recife – Problemática de uma metrópole da região subdesenvolvida. Recife: Editora Universitária UFPE, 1979.

ARAÚJO, Fábio. Da lama à academia, 10 anos depois. Continente Multicultural. v.4, n.46, p. 73-77, outubro 2004.

ARAÚJO, Tânia. B. A dinâmica regional brasileira e o Recife. In: REYNALDO, Amélia (Org). Metrópole estratégica – Região Metropolitana de Recife. Recife: Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco, CONDEPE/FIDEM, Prómetrópole, 2005, p. 21-37.

BECKER, Howard. S. Mundos artísticos e tipos sociais. In: VELHO, Gilberto. Arte e Sociedade: ensaios de sociologia da arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1977, p.9-26.

CALAZANS, Rejane. A cena mangue e as transformações no Bairro do Recife Antigo. In CALABRE, Lia (org). Políticas culturais: reflexões e ações. São Paulo: Itaú Cultural; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2009. p.277-287.

CARNEY, George O. Bluegrass Grows all around: the spatial dimensions of a country music style. Journal of geography,v.73, n.4, 1974, p. 34-55.

CALENGE, Pierre. Les territories de l’innovation: les réseaux de l’industrie de la musique en recomposition. Géographie, Économie, Société, 4, 2002, p. 37-56.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1997.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SALAZAR, Leonardo. Música LTDA: o negócio da música para empreendedores. Recife: SEBRAE, 2010.

SENA, Evandro. Noite do Recife. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2012.

SILVA, Adriana Maria Bernardes. A contemporaneidade de São Paulo: produção de informações e novo uso do território brasileiro. Tese (doutorado em geografia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2009.

SILVEIRA, Maria Laura. Uma situação geográfica: do método à metodologia. Território, ano IV, n. 6, 1999, p. 21-27.

TRAGTENBERG, Livio. Artigos musicais. São Paulo: Perspectiva, 1991.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2018.83.a13145

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.