A Territorialidade Seringueira - Geografia e Movimento Social

Carlos Walter Porto Gonçalves

Resumo


Resumo
O artigo parte do pressuposto que na expressão “luta de classes” o termo forte é “luta” e não “classes”, acompanhando o historiador inglês E. Thompson e o sociólogo francês P. Bourdieu. Assim, é a luta que cria o movimento social entre os seringueiros, evidenciando- se que são as lutas, e não o contrário, que dão origem às classes. O movimento social é visto, assim, rigorosamente como “mudança de lugar” (social). O movimento dos seringueiros significa a passagem da ação territorial à identidade que ela inventa, validando a teoria da ação de que é através das lutas que o implícito cresce e ganha a dimensão concreta do explícito. Palavras-chave: teoria da ação, luta territorial, identidade.

Abstract
This article has the pressuposition that in the expression “class struggles” the main term is “struggle” and don’t “classes”, likewise the english historian E. Thompson and the french sociologist P.Bourdieu. So, the struggle create the social mouvement among rubber- tappers, EVIDENCIANDO that the struggles originate classes, not the opposite. The social mouvement is seen exactly as “change of (social) place”. The rubber-tappers mouvement means the way from the territorial action to the identity it INVENTA, validating the action theory in which is by the struggles that implicit grows and receives the concret dimension of the explicit. Keywords: action theory, territorial struggle, identity.

Palavras-chave


teoria da ação; luta territorial; identidade;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia1999.v1i2.a13352

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Latindex Geodados Periódicos CAPES

GEOgraphia - Revista  do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense

Rua Gal. Milton Tavares, s/n, sala 508, Boa Viagem - Niterói - RJ,

CEP 24210-346

Periodiciodade Quadrimestral - ISSN 15177793 (impresso). Os conteúdos da Revista GEOgraphia estão licenciados em CC BY.