RESERVAS EXTRATIVISTAS NA AMAZÔNIA: MODELO CONSERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SOCIAL?

Josimar Silva Freitas, Armin Mathis, Milton Cordeiro Filho, Alfredo Kingo Homma, David Correia Silva

Resumo


Fizemos uma demarcação da fronteira de conhecimento sobre reservas extrativistas como modelo de política de conservação ambiental e desenvolvimento social. O objetivo foi de levantar a produção científica sobre temas relacionados a biodiversidade, ao extrativismo, a produção, ao turismo e a relação do Estado com os moradores das reservas. A revisão se desenvolve a partir de quatro questões sobre os desafios das RESEX para a Amazônia. Como procedimento de identificação, seleção e inclusão dos trabalhos publicados sobre o tema foi adotado o Modelo PRISMA. Para isso foram utilizadas duas bases de textos nacionais e 11 bases internacionais, com combinação de palavras-chave extractive, reserve e Brazil, durante os meses de maio e junho de 2016. Aqui, concluímos que conservação e desenvolvimento não estabeleceram aliança porque o modelo de gerenciamento do Estado é ineficiente, e as populações locais exploram a floresta para atendimento de necessidades básicas, na expectativa de garantir alimentação e o mínimo de serviços sociais.

Palavras-chave


Extrativismo; Sistemas produtivos; Reservas Extrativistas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2017.v19i40.a13806

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Latindex Geodados Periódicos CAPES

GEOgraphia - Revista  do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense

Rua Gal. Milton Tavares, s/n, sala 508, Boa Viagem - Niterói - RJ,

CEP 24210-346

Periodiciodade Quadrimestral - ISSN 15177793 (impresso). Os conteúdos da Revista GEOgraphia estão licenciados em CC BY.