A brutalização da escrita: perecimento e precariedade em Uma duas, de Eliane Brum

Tatiana Pequeno

Resumo


O primeiro romance de Eliane Brum Uma duas suscita inúmeras reflexões a respeito das tradições e discursos (pós)humanistas. Construída a partir do conflito de subjetividades (de uma filha e de sua mãe), a narrativa busca compreender em que medida um legado doentio de relações humanas confronta os indivíduos com seus permanentes estados de precariedade e ruína por meio de uma memória agressiva. A primeira parte do artigo procura ler a narrativa a partir de suas conexões com os sentidos pós-humanistas dela derivados, buscando compreender a brutalização como perda da aura tanto do indivíduo quanto de suas obras. A segunda parte do texto pretende discutir em que medida a escrita realoca a personagem Laura na sua humanidade, libertando-a da razão distópica de sua identidade híbrida porque geminada ao “seio grande e duro” de Maria Lúcia, sua mãe.


Palavras-chave


literatura brasileira contemporânea; Eliane Brum; poética da ruína

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/gragoata.v18i35.32946

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


A Gragoatá é uma revista dos Programas de Pós-graduação em Letras da UFF:

Ir para Pós Estudos de Linguagem Ir para Pós Estudos de Literatura


ISSN (impresso) 1413-9073 - de 1996 a 2013
ISSN (online) 2358-4114 - de 2014 em diante


A Gragoatá está indexada nas seguintes bases:

Portal de Periódicos da UFF

Latindex Porbase Google Acadêmico Diadorim Periódicos Capes EZB DOAJ Sumários.Org ErihPlus


Licença Creative Commons
A Gragoatá utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.