Identificação, memória e figuras identitárias: a tensão entre a cristalização e o deslocamento de lugares sociais

Evandra Grigoletto, Fabiele Stockmans De Nardi

Resumo


A proposta deste artigo é discutir a noção de figuras identitárias, observando como a memória intervém no processo de produção de sentidos, promovendo a cristalização e/ou o deslocamento de determinados lugares sociais. Essa noção se apoia no conceito de figura, que tomamos aqui enquanto cristalização, no tempo, de uma imagem que está colada à representação de um lugar social. A figura aparece como forma por meio da qual é possível representar esse lugar, podendo sofrer deslocamentos ao ser discursivizada em diferentes épocas. Trata-se da forma material de um discurso fundador (ORLANDI, 2003) que marca o imaginário que se constrói sobre um grupo social. Ao ocuparmo-nos das figuras identitárias, traçamos como objetivos centrais deste artigo: 1) produzir uma teorização acerca dessa noção no campo da AD, a partir da relação entre os conceitos de figura, memória e identificação; 2) explorar a sua produtividade analítica, a partir das figuras do cangaceiro e do compadrito.


Palavras-chave


memória; figuras identitárias; identificação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/gragoata.v18i34.32967

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


A Gragoatá é uma revista dos Programas de Pós-graduação em Letras da UFF:

Ir para Pós Estudos de Linguagem Ir para Pós Estudos de Literatura


ISSN (impresso) 1413-9073 - de 1996 a 2013
ISSN (online) 2358-4114 - de 2014 em diante


A Gragoatá está indexada nas seguintes bases:

Portal de Periódicos da UFF

Latindex Porbase Google Acadêmico Diadorim Periódicos Capes EZB DOAJ Sumários.Org ErihPlus


Licença Creative Commons
A Gragoatá utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.