'Amerika', de Franz Kafka: de pai para filho

Davi Andrade Pimentel

Resumo


Este artigo analisa, no romance O desaparecido ou Amerika, de Franz Kafka, a configuração da lei paterna enquanto sistema opressor que julga e sentencia o filho segundo uma lei-conceito predefinida, que acaba por tornar esse julgamento uma ficção. Dois territórios democráticos, um utópico e outro real, apresentam-se como o cenário do julgamento, da sentença e do castigo do filho. Diante da lei do pai, o filho não dispõe de nenhuma possibilidade de escolha, pois se encontra enredado em um pecado original que, antes de sua própria existência, já o tinha sentenciado como culpado. No desenvolvimento deste artigo, três narrativas curtas de Kafka são apresentadas como exercício de reflexão sobre essa lei paterna autocrática, são elas: A metamorfose, O veredicto e Carta ao pai. Textos de Jacques Derrida, “Préjugés: devant la loi”, e de Jacques Rancière, “O continente democrático”, dão a este artigo uma estrutura teórica pela qual a lei paterna kafkiana pode ser pensada.

 

---

DOI: http://dx.doi.org/10.22409/gragoata.2018n45a1066.


Palavras-chave


Franz Kafka, Jacques Derrida, Jacques Rancière, lei paterna, democracia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/gragoata.v23i45.33565

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


A Gragoatá é uma revista dos Programas de Pós-graduação em Letras da UFF:

Ir para Pós Estudos de Linguagem Ir para Pós Estudos de Literatura


ISSN (impresso) 1413-9073 - de 1996 a 2013
ISSN (online) 2358-4114 - de 2014 em diante


A Gragoatá está indexada nas seguintes bases:

Portal de Periódicos da UFF

Latindex Porbase Google Acadêmico Diadorim Periódicos Capes EZB DOAJ Sumários.Org ErihPlus


Licença Creative Commons
A Gragoatá utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.