'Vozes de Tchernóbil' – o tempo suspenso, o horror e a linguagem da memória e do esquecimento

Jacy Alves Seixas

Resumo


Vozes de Tchernóbila história oral do desastre nuclear, de Svetlana Aleksiévitch, publicado em 1997, representa o tapa definitivo na ideologia do progresso civilizador e possibilita a discussão da extrema contemporaneidade das linguagens da memória e do esquecimento, assim como a interpelação das escritas da história perante a catástrofe anunciada; nessa relação são traçadas fronteiras insuspeitas e sensíveis entre ambas as formas de conhecimento. As narrativas de memória urdidas pela autora, que formam uma espécie de mosaico, exprimem, de diversas formas, o “estupor” experimentado por milhares de pessoas e enunciam, a partir do desconcerto e estranhamentos radicais, os desafios colocados à tradição, à subjetividade e à existência humana no interior do que é experimentado como uma “nova sensação do tempo”. Este artigo busca levantar tópicos compreensivos do “estranhamento” e “terror” de que falam os testemunhos múltiplos e insistentes, diante do sentimento de eclipse da própria linguagem para dar conta do acontecido e vivido.

 

---

DOI: http://dx.doi.org/10.22409/gragoata.2018n47a1193


Palavras-chave


Tchernóbil; Svetlana Aleksiévitch; memória e esquecimento; Literatura e História.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/gragoata.v23i47.33601

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


A Gragoatá é uma revista dos Programas de Pós-graduação em Letras da UFF:

Ir para Pós Estudos de Linguagem Ir para Pós Estudos de Literatura


ISSN (impresso) 1413-9073 - de 1996 a 2013
ISSN (online) 2358-4114 - de 2014 em diante


A Gragoatá está indexada nas seguintes bases:

Portal de Periódicos da UFF

Latindex Porbase Google Acadêmico Diadorim Periódicos Capes EZB DOAJ Sumários.Org ErihPlus


Licença Creative Commons
A Gragoatá utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.