A RELEITURA DO MITO DE FEDRA E HIPÓLITO POR EURÍPIDES E SÊNECA - INTERSEÇÕES

Fernando Crespim Zorrer da Silva

Resumo


A reescrita do mito de Fedra e Hipólito por Sêneca representa um processo dinâmico no qual o autor examina a tradição e produz uma nova obra. Desde o início da peça, Phaedra, o escritor romano diminui a presença dos deuses no que contribui para a instauração da ideia do homem como centro das ações e como
sendo responsável por suas escolhas. Além disso, o drama enfatza a ideia de que não se deve perder a razão em nome da paixão. Também é possível observar traços da flosofa estóica na censura da aia em relação aos atos pratcados pela esposa de Teseu. Deste modo, principalmente dialogando com as construções poéticas de Eurípides, Sêneca apresenta uma nova obra adaptada ao seu contexto histórico-social e literário.

Palavras-chave


Fedra, Hipólito, Sêneca, Eurípides.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/rh.v1i2.10540

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Fernando Crespim Zorrer da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

  • INDEXADORES

AWOL - The Ancient World Online

Diadorim

Google Scholar

Latindex

 

  • INSTITUCIONAL

 

NEREIDA - Núcleo de Estudos de Representações e de Imagens da Antiguidade
Campus do Gragoatá - Rua Prof. Marcos Waldemar de Freitas Reis, Bloco O, sala 507
24210-201 - Niterói - RJ
nereida@vm.uff.br