A DIPLOMACIA DAS CANHONEIRAS E O SÉCULO XXI: UMA REVISÃO CONCEITUAL

Andrea Luiza Fontes Resende de Souza

Resumo


A diplomacia das canhoneiras foi uma prática frequente das
grandes potências contra nações mais fracas entre o final do século
XIX e início do século XX. Todavia, ainda hoje esta prática ainda é
evidenciada. Torna-se fundamental compreender o objeto, bem como
o debate existente na academia sobre sua terminologia e definição.
Para este objetivo, apresenta-se dois autores como pedras
fundamentais do debate: James Cable e Christian Le Mière. James
Cable publicou o livro “Gunboat Diplomacy” em 1971, que é
considerado hoje um clássico, já que foi o primeiro trabalho a
investigar e compreender a diplomacia das canhoneiras como um
conceito dentro do campo diplomacia naval e marítima. Já Christian
Le Mière propõe uma revisão de seus conceitos e categorizações, a
fim de compreender eventos da nova dinâmica global. Ambos os
autores propõem categorizações como ferramentas de análise e
identificação de casos onde prevalece o uso das forças navais ou
marítimas para coagir ou dissuadir um adversário, persuadindo-o a
alterar uma política ou comportamento. Ao fazer uma revisão sobre as
conceitualizações de cada autor, torna-se possível clarificar o que é a
diplomacia das canhoneiras e como ela se apresenta hoje, no século
XXI.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.0000/hoplos.v2i2.28786

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Hoplos