Solidariedade em Redes

Angie Gomes Gomes Biondi

Resumo


O discurso da comum humanidade que vinculava sofredor e espectador na base de uma moralidade piedosa caducou frente às solicitações de uma sociedade tecnológica, multicultural e pluralista. Ao repertório do protesto e da denúncia, como instrumentos privilegiados da modernidade, prevalecem agora novos apelos à chamada “sensibilidade humanitária” (CHOULIARAKI, 2013) posta diretamente a cada sujeito social conectado. Deste modo, uma profusão de causas individuais tem se amontoado nas redes sociais (não raro, multiplicadas pelos meios de comunicação tradicionais) todos os dias. Causas que se declaram legítimas e justificáveis em tempos de uma precária e insuficiente participação do Estado e que se orientam para uma ação direta às vítimas e oprimidos. Contudo, as interações afetivas que subjazem estes apelos solidários se coadunam à lógica de um capitalismo flexível que toma a própria vida em sua vertente criativa, como núcleo de produção econômica, ou seja, como forma de capitalização da própria vida cotidiana. Neste texto buscamos desenvolver uma etapa descritiva destas convocações solidárias como uma prática baseada na lógica conexionista que tem vigorado em nossa sociedade. Alguns casos são trazidos para pensar o lugar da vítima enquanto instância privilegiada de sua própria enunciação, os mecanismos de visibilidade que são articulados na comunicação modulada pelas redes e em que medida é possível pensar tais práticas como uma espécie de atualização das ações solidárias baseadas em uma “política do conexionismo”, conforme indicam os estudos de Boltanski e Chiapello (2013).

Texto completo:

PDF

Referências


BOLTANSKI, Luc. Distant Suffering: morality, media and politics. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espirito do capitalismo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

BRAGA, José Luiz. Sobre mediatização como processo interacional de referência. Biblioteca Compós, 2006. Disponível em http://www.compos.org.br/data/biblioteca_446.pdf

CHOULIARAKI, Lilie. The ironic spectator. Solidarity in the age of post-humanitarianism. Cambridge: Polity Press, 2013.

____________________. Improper distance: towards a critical account of solidarity as irony. International Journal of Cultural Studies, 14 (4). 2011. pp. 363-381.

__________________. Post-humanitarianism: humanitarian communication beyond a politics of pity. International Journal of Cultural Studies, 13 (2). 2010. pp. 107-126.

__________________. The Spectatorship of Suffering. London: Sage, 2006.

DELEUZE, Gilles. O que é um dispositivo? In: O mistério de Ariana. Lisboa: Vega, 1996.

FAUSTO NETO, A. Fragmentos de uma analítica da midiatização. Matrizes, São Paulo, vol. 1, n.2, p. 89-105, abril/2008.

RORTY, Richard. Contingencia, ironia y solidaridad. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 1991.

SENNETT, Richard. Together. The Rituals, Pleasures and Politics of Cooperation. New Haven: Yale University Press, 2012.

ZIZEK, Slavoj. Que veut l’Europe? Réflexions sur une nécessaire réappropriation. Castelnau-le-Lez: Climats, 2005.




DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v5i5.9730

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano - PPGMC (UFF)

Endereço: Rua Tiradentes, nº 148 - Ingá - Niterói - Rio de Janeiro - CEP 24.210-510

Site: http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br

Telefone/Fax: (21) 2629-9684/ (21) 2629-9681