MÍDIA JORNALÍSTICA ONLINE: Crianças e Adolescentes em Situação de Violências

Poliana Hilário MAGALHÃES, Samira Valentim Gama LIRA, July Grassiely de Oliveira BRANCO, Antônio Dean Barbosa MARQUES, Deborah Pedrosa MOREIRA, Luiza Jane Eyre de Souza VIEIRA

Resumo


Este estudo caracteriza as notícias sobre violências contra crianças e adolescentes, analisa a sua veiculação na mídia online e relaciona-as à rede de atendimento a este grupo. Tomou-se como unidade de análise todas as matérias publicadas entre 2012 a 2015, na edição online do jornal cearense Diário do Nordeste (DN), mídia com importante circulação no estado do Ceará. No período delimitado, 1.640 reportagens foram submetidas a análise de conteúdo; 664 (45,5%) relataram violências contra o grupo estudado e 48 (7,2%) mencionaram à rede de atendimento. Destaca-se a urgência de uma nova abordagem jornalística que evidencie possibilidades de enfrentar as violências, assim como a existência de redes de apoio e proteção.

Palavras-chave


Comunicação; Mídia; Maus-Tratos Infantis; Defesa da Criança e do Adolescente

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, M.; CASTRO, M. G. Drogas nas escolas (versão resumida). 1. ed. Brasília:

UNESCO, v. 1, p. 143, 2005.

ABREU, Ângela Maria Mendes; LIMA, Jose Mauro Braz de; MATOS, Ligia Neres; PILLON,

Sandra Cristina. Uso de álcool em vítimas de acidentes de trânsito: estudo do nível de

alcoolemia. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v.18, n.spe, p. 513-520, 2010.

ADORNO, S. Violência, ficção e realidade. In: Sujeito: O lado oculto do receptor, 1995.

AKIRA, Francisco; MARQUES, André Coelho. O papel da mídia nos serviços de saúde. Rev.

Assoc. Med. Bras. São Paulo, v. 55, n. 3, 2009.

ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução a metodologia do trabalho científico. 8. ed.

São Paulo: Atlas, 2007.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads. Lisboa: Edições 70 da

obra original publicada em 1977, 2011.

MAGALHAES ET AL 124

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema de Informações para Infância e Adolescência. Rede

Aquarela - Disseminação do PAIR, 2005.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Diretoria de Articulação de Redes

de Atenção a Saúde. Redes regionalizadas e territórios integrados de atenção à saúde – teias

a estratégia: pressupostos, componentes e diretrizes. Brasília, DF, 01 out. 2009.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações

Programáticas Estratégicas. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças,

adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e

profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Área de Saúde do Adolescente e

do Jovem. Marco legal: saúde, um direito de adolescentes. Brasília: Ministério da Saúde,

______. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. SUS: avanços e desafios. Brasília:

CONASS, 2006.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações

Programáticas e Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

______. Lei no 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do

Adolescente e das outras providencias. Presidência da República Federativa do Brasil (site),

Brasilia, DF, 1990. Disponivel em: .

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e

Diversidade. Escola que protege: enfrentando da violência contra crianças e adolescentes.

Brasília: Ministério da Educação, 2a ed.; 2008.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de

Situação de Saúde. VIVA - Vigilância de Violência e Acidentes 2006-2007. Brasília:

Ministério da Saúde. p. 154, 2009.

CECILIO L.P. P; GARBIN C. A. S; ROVIDA T. A. S; QUEIRÓZ A.P.D. de G. e; GARBIN

A.J. Í. Violência interpessoal: estudo descritivo dos casos não fatais atendidos em uma unidade

de urgência e emergência referência de sete municípios do estado de São Paulo, Brasil, 2008 a

Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 21(2):293-304, abr-jun 2012.

CARVALHO, D.W; FREIRE, M.T; VILAR, G. Mídia e violência: um olhar sobre o Brasil. Rev

Panam Salud Publica. 31(5):435–8, 2012.

CASTRO, M. G.; ABRAMOVAY, M. Juventudes no Brasil: vulnerabilidades negativas e

positivas, desafiando enfoques de políticas públicas. In: PETRINI, J. C.; CAVALCANTI, V. R.

S. (Org.). Família, sociedade e subjetividades: uma perspectiva multidisciplinar. Petrópolis:

Vozes, 2005. p. 54-83.

CECILIO, Lenise Patrocínio Pires; GARBIN, Cléa Adas Saliba; ROVIDA, Tânia Adas Saliba

et al.Interpersonal violence: descriptive study of not fatal cases assisted in an emergency

MAGALHAES ET AL 125

reference unity to seven municipalities of the state of São Paulo, Brazil, from 2008 to 2010.

Epidemiol. Serv. Saúde, June. vol.21, no.2, p.293-304, 2012

DESLANDES, S. F. Prevenir a violência: um desafio para profissional de saúde. Rio de

Janeiro: FIOCRUZ / ENSP / CLAVES. Jorge Careli, 1994.

DOMINGUEZ, Bruno. Denunciar é um dever. Radis: comunicação em saúde, n. 70, p. 8, jun,

FERREIRA, C.L; TRAESEL, E.S; KAEFER, C.O. A comunidade escolar como protagonista na

pevenção da violência contra a criança e o adolescente. VIDYA, v.30, n.2, p. 21-31, jul/dez.,

GUARESCHI, P.A. REVISTA DEBATES, Porto Alegre, v.1, n.1, p. 6-25, jul.-dez. 2007 de

Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010.

KRUG, E. G. et al (Ed.). Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: Organização

Mundial da Saúde, 2002.

LESSA, Andrea. Violência e impunidade em pauta: problemas e perspectivas sob a ótica da

antropologia forense no Brasil. Ciênc. saúde coletiva. v.14, n.5 p.1855-1863, 2009.

LIMA, M. A. D. S. et al. Atendimento aos usuários em situação de violência: concepções dos

profissionais de unidades básicas de saúde. Rev Gaúcha Enferm, v. 30, n. 4, p. 625-632, 2009.

MOREIRA, Deborah Pedrosa. Exposição à violência delinquencial e fatores associados entre

adolescentes de uma comunidade de baixa renda. Dissertação (mestrado) – Universidade de

Fortaleza, 2009.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; CONSTANTINO, Patrícia. Visão ecossistêmica do

homicídio. Ciênc. Saúde coletiva, v.17, n.12, p. 3269-3278, 2012.

NJAINE, KATHIE. Violência na mídia e seu impacto na vida dos adolescentes: reflexões e

propostas de prevenção sob a ótica da saúde pública. Tese de Doutorado apresentada à Escola

Nacional de Saúde Pública. Rio de Janeiro: s.n., 2004.

NJAINE, K; MINAYO, M.C.S. Análise do discurso da imprensa sobre rebeliões de jovens

infratores em regime de privação de liberdade. Ciência & Saúde Coletiva, 7:285-297, 2002.

NJAINE, K.; REIS, A. C.; BRASIL DMINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE

VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Qualidade da informação sobre acidentes e violências. Souza RE,

Minayo MCS. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde,

p. 313-334, 2005.

NUNES, C.B. A violência intrafamiliar contra a criança e o adolescente na perspectiva de

profissionais de saúde [tese]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de

Medicina, 2007.

MAGALHAES ET AL 126

OMS. Violência um problema de saúde pública. In: KRUG, E. et al. (Eds.). Relatório Mundial

sobre violência e saúde. Genebra: World repord on violence and health/ Organização

Mundial de Saúde. p. 357, 2002.

RANGEL-S, Maria Ligia. Epidemia e mídia: sentidos construídos em narrativas jornalísticas.

Saúde soc., São Paulo, v. 12, n. 2, dez. 2003 .

ROCHA, Pedro Carlos Xavier da; MORAES, Claudia Leite. Violência familiar contra a criança

e perspectivas de intervenção do Programa Saúde da Família: a experiência do PMF/Niterói

(RJ, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 7, jul. 2011.

SANT’ANNA, Cuidados de si e embelezamento feminino: fragmentos para uma história

do corpo no Brasil. In: SANT’ANNA, D. Políticas do corpo. São Paulo: Estação Liberdade. p.

-139, 2005.

SANTOS, L.E.S.; FERRIANI, M.G.C.; Ações do Conselho Tutelar e seu envolvimento com a

violência infantil. Pediatr. mod.;45(6), Nov-dez.2009.

SILVA, Marise Borba de; GRIGOLO, Tânia Maris. Metodologia para iniciação científica à

prática da pesquisa e da extensão II. Caderno Pedagógico. Florianópolis: Udesc, 2002.

SOUZA, Edinilsa Ramos de et al. O tema violência intrafamiliar na concepção dos formadores

dos profissionais de saúde. Ciência Saúde Coletiva. v.14, n.5, p. 1709-1719, 2009.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2012. Crianças e Adolescentes do Brasil. São Paulo,

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2015. Mortes Matadas por Arma de Fogo, 2015.




DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v9i9.9783

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano - PPGMC (UFF)

Endereço: Rua Tiradentes, nº 148 - Ingá - Niterói - Rio de Janeiro - CEP 24.210-510

Site: http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br

Telefone/Fax: (21) 2629-9684/ (21) 2629-9681