Halbwachs no Hollodeck: Jogos Eletrônicos e Memória Coletiva

Helyom Viana Telles

Resumo


Este trabalho discute alguns resultados de uma pesquisa cujo objetivo era investigar se experiência lúdica dos jogos eletrônicos pode atuar como um suporte para memória coletiva e para produção e no compartilhamento de representações, de imagens e de um imaginário sobre o passado. Trata-se também de uma discussão sobre memória coletiva, multimodalidade e jogos eletrônicos, centrada na análise do jogo Assassin’s Creed II.  Os dados foram coletados com o recurso à um micro etnografia do game play. Ao longo do texto, demonstro como estudos sobre jogos como Call of DutyMedal of Honor sugerem que alguns videogames podem assumir inúmeras funções mnemônicas como como simulação, celebração,  narrativa, produção de monumentos, vivência do luto,  rememoração e  patrimonialização. Os recursos multimodais presentes em jogos eletrônicos como Assassin’s Creed II podem ampliar as possibilidades de compartilhamento da memória coletiva.


Palavras-chave


Memória coletiva; jogos eletrônicos; multimodalidade

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Tomás de. Suma Teológica. São Paulo: Loyola, 2004

BARTLETT, Frederic Charles. Remembering: A study in experimental and social psychology. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.

BOURDIEU, Pierre. Essai sur lês usages sociales de la photographie. Paris: Minuit, 1965.

CALVACANTE, L. E. Patrimônio digital e informação: política, cultura e diversidade. Encontros Bibli. UFSC, v. 23, p. 152-170, 2007.

CONNERTON. Como as sociedades recordam. 2 ed. Oeira: Celta, 1999.

CASSAR, Robert. God of War: A Narrative Analysis. Eludamos. Journal for Computer Game Culture.2013; 7 (1), pp. 81-99. Disponível em < http://www.eludamos.org/index.php/eludamos/article/view/vol7no1-5 > Acesso em 10 fev. 2014.

CRUZ, M. (org). Hacia dónde va el pasado. El porvenir de la memoria en el mundo contemporáneo. Barcelona: Paidós, p.2002.

DODEBEI, V. Patrimônio e memória digital. Vera Dodebei. Morpheus - Revista Eletrônica em Ciências Humanas, v. 4, n. 8, p. 1–21, 2006. Disponível em: . Acesso em 20 jun.2015.

DOW, Douglas N. Historical Veneers Anachronism, Simulation, and Art History in Assassin’s Creed II. In.Playing With The Past. Digital Games And The Simulation Of History. Kapell ,Matthew Wilhe;ELLIOTT, Andrew, B.R. New Yorl/London: Bloomsburry 2013. Páginas: 400. Editor: Continuum , p.215-231.

FORTES, Susana. Quattrocento. Rio de Janeiro: Record, 2010.

GIBBS, Martin et al. Tombstones, Uncanny Monuments and Epic Quests: Memorials in World of Warcraft. Game Studies The International Journal of

Computer Game Research. vol. 12, issue 1, sep. 2012 Disponível em . Acesso em 18 jun. 2013.

GENETTE, Gérard. Discurso da narrativa. 3. ed. Lisboa: Vega, 1995.

GIDDINGS, S. Events and collusions: A glossary for the microethnography of videogame play. Games and Culture: A Journal of Interactive Media, 4 (2). 2009, pp. 144-157. Acesso em 3 mar. 2013.

GISH, H. Playing the Second World War: Call of Duty and the Telling of History. Eludamos, v. 4, n. 2, p. 167–180, 2010. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2015.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Vértice/Revista dos Tribunais, 1990.

_____________________.Los marcos sociales de la memoria. Caracas:Anthropos Editorial, 2004.

HOSKINS, A. Media, Memory, Metaphor: Remembering and the Connective Turn. Parallax, v.17, n. 4, 2011. p. 19–31. Disponível em: . Acesso em: 26/7/2015.

__________. The Mediatization of Memory. In: Lundby,K. (Org.); Mediatization of Communication. Berlin: De Gruyter Mouton, 2014, p.661–679.

KAYLAN, Melik. Time Travel Gets Closer to Reality. The Wall Street Jounal, 2010.. Disponível em: http://online.wsj.com/news/articles/SB10001424052748703939404574568220649184090. Acesso em 20 jun. 2013.

KEIGHTLEY, E.; PICKERING, M. (orgs). Research methods for memory studies. UK:Edinburgh University Press, 2013.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual

design.London, New York: Routledge, 1996.

LE GOFF, J. História e memória. 5ª Ed. Campinas: Editora da UNICAMP,2003.

LEROI-GOURHAN, André. O gesto e a palavra: memória e ritmos. Lisboa: Edições 70, 1987.

LÉVY, Pierre. A ideografia dinâmica: rumo a uma imaginação artificial? São Paulo: Edições Loyola,1998.

MUKHERJEE, Souvik. Re-membering and Dismembering: Memory and the (Re)Creation of Identities in Videogames . Games and Philosophy Conference, 2011 . Disponível em: . Acesso em 10 jun.2013.

MURRAY, Janet H. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo, Unesp, 2003.

PEREIRA, Vanessa Andrade. Na Lan House, "porque jogar sozinho não tem graça: Estudo das redes sociais juvenis on- e offline. Rio de Janeito: UFRJ, Pós-Graduação em Antropologia Social-Museu Nacional (Tese de Doutorado),2008.

RAMSAY, D. Brutal Games: Call of Duty and the Cultural Narrative of World War II. Cinema Journal, v. 54, n. 2, p. 94–113, 2015.Disponível em:.Acesso em 20 jan. 2016 .

ROEDIGER, H. L.; WERTSCH, J. V. Creating a new discipline of memory studies. Memory Studies, 1, vol. 1, 2008, p.9-22.

QUEAU, Philippe. O tempo virtual. In: PARENTE, André (org.). Imagem-máquina: A era das tecnologias do virtual. Trad. Rogério Luiz et al. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

SANTOS, Christiano Britto Monteiro. Medal of Honor e a construção da memória da Segunda Guerra Mundial. Dissertação (Mestrado em História). Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2009.

SANTOS, Miriam Sepúlveda dos. Memória coletiva e teoria social. São Paulo: Anna Blume, 2003.

SHAFFER, David W.How Computer Games Help Children Learn. New York: Palgrave, 2007

SIMONETTA, Marcello. A conspiração contra os Médici: arte e traição do domo de Florença à Capela Sistina. Rio de Janeiro: Record, 2009.

STRANGELOVE, Michael. Virtual Video Ethnography: Towards a New Field of Internet Cultural Studies. 2007. Disponível em < http://interin.utp.br/index.php/vol11/article/view/127/113 >. Acesso em 3 mar. 2013.

STOBBART ,Dawn. Playing with Fiction: Ludology and the Evolution of Narrative in Videogames. Disponível em < http://www.inter-disciplinary.net/critical-issues/wp-content/uploads/2013/05/stobbartvideopaper.pdf>. Acesso em 20 jun 2014.

STUART, Keith. Assassin's Creed and the appropriation of history. The Gardian, Londres, 19, nov., 2010. Disponível em: .Acesso em 20 jun. 2013.

TILL, K. Memory Studies. History Workshop Journal, vol. 62, n 1. January, p. 325–341 , 2006. Disponível em: . Acesso em: 26/4/2016.

VIANA TELLES, Helyom. Um tecido encharcado de tensões: as formas elementares da memória do Sinditêxil-Bahia. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Salvador: UFBA, 2009.

VIANA-TELLES, Helyom; ALVES, L. Ficção e Narrativa: o lugar dos videogames no ensino de História. TECCOGS: Revista Digital de Tecnologias Cognitivas, v.1, p.115 - 130, 2016. Disponível em:.

THOMPSON, John B. Los media y la modernidad. Una teoría de los medios de comunicación. Barcelona: Paidós,1988




DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v10i10.9794

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano - PPGMC (UFF)

Endereço: Rua Tiradentes, nº 148 - Ingá - Niterói - Rio de Janeiro - CEP 24.210-510

Site: http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br

Telefone/Fax: (21) 2629-9684/ (21) 2629-9681