Rocinha: a representação no Instagram da maior favela do Brasil

Paulo Henrique Soares Almeida, Celia Mota

Resumo


A popularização das redes sociais atinge milhões de pessoas, causando um enorme impacto na maneira como elas consomem, interpretam e narram o mundo globalizado. É a partir deste cenário que analisamos a representação da Rocinha – a maior favela do Brasil - no Instagram, durante o mês de dezembro de 2017. Nossa hipótese é que, por meio de novas tecnologias e formas de interatividade, a Rocinha ganha voz para mostrar que sua cultura e identidade vão muito além do estereótipo de pobreza, violência e do tráfico de drogas. Para o estudo, empregamos como metodologia a análise crítica da narrativa com ênfase na semiótica, tendo como base os estudos do professor Luiz Gonzaga Motta (2013)

Palavras-chave


Redes Sociais; Representação; Narrativa; Cultura

Texto completo:

PDF

Referências


ADGHIRNI, Zélia Leal; MORAES, Francilaine. Instantaneidade e memória na pesquisa sobre jornalismo online. In: LAGO, Cláudia; BENETTI, Márcia. Metodologia de pesquisa em jornalismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

BAUER, Martin; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BIANCHI; Paula. Historiador relata 'rotina de guerra' na Rocinha: 'nossos direitos estão suspensos e a cidade aprova'. UOL, Rio de Janeiro, 6 fev. 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2018.

BOURDIEU, Pierre. Outline of a theory of practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.

BRESSANE, Ronaldo. Tudo por um like. Galileu, Rio de Janeiro, maio 2014. Disponível em; . Acesso em: 22 jan. 2018.

BURKE, Peter Burke. Testemunha Ocular: história e imagem. São Paulo, SP: Unesp, 2017.

CASTELLS, Manuel. Communication Power. Cambridge, MA: MIT, 2010.

COM 50 MILHÕES de usuários, Brasil é segundo no ranking do Instagram. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 out. 2017. Disponível em . Acesso em: 11 jan. 2018.

EAGLETON, Terry. A ideia de Cultura. São Paulo: Unesp, 2005.

ENTRE as 9 comunidades com mais tiroteios no Rio, 4 têm UPPs; Cidade de Deus lidera. G1, Rio de Janeiro, 1 fev. 2018. Em . Acesso em: 2 fev. 2018.

HALL, Stuart (org.). Representation: cultural representations and signifying practices. London: Sage Open University, 2009.

HALLBWACHS, Michel. A Memória Coletiva. São Paulo: Vértice/Revista dos Tribunais, 1990.

HOUAISS, Antônio. Pequeno Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Moderna, 2015.

IBGE. Censo demográfico 2010. Aglomerados subnormais: primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

INSTAGRAM tem 800 milhões de usuários ativos por mês e 500 milhões por dia. G1, 25 set. 2017. Disponível em . Acesso em: 12 jan. 2018.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Bauru, SP: EDUCS, 2001.

MARTINO, Luís Mauro. Teoria das mídias digitais: linguagens, ambientes e redes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

MEIRELLES, Renato; ATHAYDE, Celso. Um país chamado favela: a maior pesquisa já feita sobre favela brasileira. São Paulo: Gente, 2014.

MIANI, Rozinaldo Antonio. Charge Editorial: Iconografia e pesquisa em história. Domínios da Imagem, Londrina, v. 8, n. 16, p. 133-145, jun./dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2018.

MIRZOEFF, Nicholas. An Introduction to Visual Culture. Londres: Routledge, 2010.

MOTA, Célia Ladeira. A narrativa semiótica da imagem. In: MOTA, Célia Ladeira; MOTTA, Luiz Gonzaga; CUNHA, Maria Jandyra. (Orgs.) Narrativas Midiáticas, Florianópolis: Insular, 2012.

MOTA, Célia Ladeira. Hermenêutica e as faces da linguagem. In: PORTO, Sérgio Dayrell; MOTA, Célia Ladeira. (Orgs.) Hermenêutica e análise dos discursos em jornalismo. Florianópolis: Insular, 2017.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise crítica da narrativa. Brasília: Universidade de Brasília, 2013.

RECUERO, R. (2012). A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet. Porto Alegre: Sulinas, 2012.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

WOODWARD, Katherine. ‘Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual’. In: SILVA, Tomaz Tadeu. (Org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v13i2.28692

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano - PPGMC (UFF)

Endereço: Rua Tiradentes, nº 148 - Ingá - Niterói - Rio de Janeiro - CEP 24.210-510

Site: http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br

Telefone/Fax: (21) 2629-9684/ (21) 2629-9681