O PÚBLICO E BASQUIAT: VIVÊNCIAS COM A ARTE DENTRO DO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

Marina Oliveira Vaz Batista

Resumo


No presente ensaio, procuro discutir a relação do indivíduo com a obra de arte, tendo como campo de pesquisa a exposição de Jean Michel Basquiat no Centro Cultural do Banco do Brasil, em Brasília, iniciada em abril de 2018. Com base na performance e nos significados atribuídos pelos agentes participantes – público, staff e arte-educadores –, tratarei a análise da experiência com a arte como uma ação coletiva simbolicamente construída pelo espaço e as relações situacionalmente desenvolvidas. Utiliza-se a etnografia como meio para mavaliar tais circunstâncias.





Palavras-chave


Museu. Antropologia. Arte. Basquiat

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Rio de Janeiro: Zouk, 2006.

CHIPP, Herschel Browning. Teorias da arte moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

DIAZ, Al. Al Diaz explains the origin of SAMO. 2018. Disponível em: <https://aldiaz.com/al-diaz-explains-the-origin-of-samo>. Acesso em: 16 jan. 2018.

GIDDENS, Anthony. A dualidade da estrutura: agência e estrutura. Oeiras, PT: Celta,2000.

LEITÃO, Débora Krischke; MALGARIN, Marcello da Silva. Interagir é fazer? Uma descrição de uma exposição de arte digital e interativa. Cadernos de Campo, São Paulo, n.22, p. 1-384, 2013.

SAID, Edward. Orientalismo: o oriente como invenção do ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In: O fenômeno urbano. Rio de Janeiro:Zahar, 1973.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Marina Oliveira Vaz Batista