O instrumento como um outro

Tato Taborda

Resumo


Esse texto propõe um deslocamento da noção de instrumento musical
da ordem do objeto utilitário para a do indivíduo, não apenas dotado de uma voz, dadas as suas características físico-acústicas, mas também de uma fala, de uma potência discursiva. Para isso convoca o pensamento do filósofo francês Gilbert Simondon que, já a partir da década de 50, trouxe uma nova perspectiva para a questão da individuação de entes não orgânicos, técnicos, tecnológicos, propondo uma ontologia do objeto técnico com sua tese Du modes de existence des Objets Techniques. O campo de experimentação para essas reflexões é um trecho do 
documentário Nelson Freire, onde são investigados os modos de relação entre um piano de concerto e dois indivíduos humanos com quem interage.


Palavras-chave


instrumento musical; experimentação; meios tecnológicos; individuação; Gilbert Simondon

Texto completo:

PDF

Referências


NIETZSCHE, Friedrich. ‘Sobre Verdade e Mentira no Sentido Extra-moral’ In: Antologia de Textos Filosóficos. MARÇAL, J. (Org.)

Curitiba: Seed, 2009, Tradução:Torres Filho, R.

PIRSIG, Robert M.. Zen and the Arte of Motorcycle Maintenance. New York: Bantam, 1984.

SCHAEFFER, Pierre. Traité des objets musicaux. Paris: Seuil, 1966.

SCHAFER, R. Murray. The Tuning of the World. New York: Random House, 1977.

SÈVE, Bernard. L’Instrument de musique: Une étude philosophique. Paris: Seuil, 2013.

SIMONDON, Gilbert. Du mode de existence des object techniques. Paris: Aubier, 1989.

SIMONDON, Gilbert. ‘On Techno-Aesthetics’ In Parrhesia nº 14, 2012, tradução Arne de Boever, (pg 1-8).




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1625.91-105

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Tato Taborda