Dar-se como coisa que ouve: afetos de sonoridade na obra Escuto histórias de amor, de Ana Teixeira

Daniele Pires de Castro

Resumo


Entre os anos de 2005 e 2012, a artista brasileira Ana Teixeira sentou-se
em uma cadeira em vias públicas de diferentes cidades com uma cadeira vazia ao seu lado. Uma placa que dizia Escuto histórias de amor convidava os passantes a sentarem-se ao seu lado e falar. Nenhum registro do teor das narrativas foi feito, à artista interessava apenas a escuta. O presente artigo investiga como, ao se concentrar mais no gesto de ouvir que nas histórias contadas, Ana Teixeira propõe um encontro no qual a via de contágio não é a linguagem, que sempre nos convoca à interpretação, mas o som e, portanto, o corpo: seria a carne e não o intelecto a camada de permeabilidade.


Palavras-chave


afetos; encontro; escuta

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Notas sobre o gesto. Revista Artefilosofia. Ouro Preto, n. 4, p. 9-14, jan. 2008.

DELEUZE, Gilles. Francis Bacon: lógica da sensação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2007.

PERNIOLA, Mario. O sex appeal do inorgânico. São Paulo: Studio Nobel, 2005.

ROCHA, Silvia. Os abismos da suspeita: Nietzsche e o perspectivismo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003

SIBILIA, Paula. A técnica contra o acaso: os corpos inter-hiperativos da contemporaneidade. Revista Famecos. Porto Alegre, v. 18, n.

, p. 638-656, set./dez. 2011

Outras referências:

http://www.anateixeira.com/portal/home-img-search.php?ano=31




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1625.167-180

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Daniele Pires de Castro