Memória e experiência no trabalho do performer: o Workcenter de Grotowski e Thomas Richards

Martha Ribeiro

Resumo


Em visita ao Workcenter de Grotowski e Thomas Richards localizado na cidade de Pontedera na Itália, em junho de 2013, buscamos compreender
in loco o treinamento do ator, a partir do legado de Grotowski, no entendimento da Arte como Veículo. Neste artigo, iremos nos deter à
seguinte questão: é possível compreender a arte como veículo enquanto um “antídoto”, uma saída, para o declínio da experiência, apontado por Benjamim?


Palavras-chave


Jersy Grotowski; Arte como Veículo; performer; experiência

Texto completo:

PDF

Referências


BARBA, Eugenio. A Canoa de Papel: Tratado de Antropologia Teatral. Brasília: Ed. Dulcina, 2009.

BENJAMIN, Walter. O Narrador. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas, vol.

São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

DE MARINIS, Marco. Nova Teatralogia e Performance Studies: Questões para um diálogo. Repertório: Teatro & Dança, Salvador

(UFBA), v. 13, n. 15, 2010.

GROTOWSKY, Jerzy. Performer. In: Centro di lavoro di Jerzy Grotowski – Workcenter of Jerzy Grotowski. Pontedera: Centro per la Sperimentazione e la Ricerca Teatral, 1988.

GROTOWSKY, Jerzy. Jersy Grotowski. Teatro e Ritual. In: O Teatro Laboratório de Jersy Grotowski 1959-1969. São Paulo: Perspectiva, 2010.

OSINSKI, Zbigniew. Grotowski e la Gnosi. Teatro e storia, XVIII, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1421-22.37-44

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Martha Ribeiro