Corpo narrativo: um lugar que me atravessa

Marcelo Campos

Resumo


O artigo procura problematizar as relações entre corpo e lugar nas obras da arte contemporânea brasileira. Buscam-se referências em trabalhos nos quais a presença do corpo do artista se faz de modo narrativo. A análise se detém na produção de Berna Reale, Brígida Baltar, Efrain Almeida, José Rufino e Rosana Paulino. Ao mesmo tempo, pensa-se o lugar como condição narrativa nas teorias de Nestor Garcia Canclini e
Homi Bhabha. A arte contemporânea, a partir dos anos 1990, potencializou a ideia de autoficção coadunada com a presença do narrador em primeira pessoa. A constância do sujeito na narrativa evidencia uma mudança na compreensão das dicotomias entre público e privado. Hoje, a localidade se reelabora como negociação de um presente conectado em instantâneos. E o corpo permanece ativando esferas de significados.


Palavras-chave


arte contemporânea brasileira; brasilidade; corpo; autorrepresentação

Texto completo:

PDF

Referências


BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

CANCLINI, Nestor Garcia. Diferentes, desiguais, desconectados. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2009.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1421-22.45-52

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Marcelo Campos