O Corpo-Horizonte: sobre Miragens de Regina de Paula

Tania Rivera

Resumo


Este ensaio problematiza a presença do corpo na arte contemporânea,
defendendo que se trata, no que diz respeito ao corpo, principalmente
de desconfiar de sua própria casa e pôr em questão sua ligação ao Eu. Em um diálogo com a artista Regina de Paula, especialmente sua instalação Miragem, realizada em 2012 na Casa França-Brasil, no Rio de Janeiro, tenta-se demonstrar o poder que o corpo possui de transformar o espaço e pôr em cena o desejo, e argumentar que é muitas vezes necessário que o corpo se faça ausente – mesmo, eventualmente, que ele se dê a ver – para que assim se transforme em um lugar vacante no qual o olhar possa efemeramente se alojar.


Palavras-chave


Regina de Paula; corpo; Eu; espaço; olhar; psicanálise

Texto completo:

PDF

Referências


CLARK, Lygia. Lygia Clark e o Espaço Concreto Expressional (1959). Lygia Clark. Rio de Janeiro: Paço Imperial/Minc IPHAN, 1999, p.

-86.

CLARK, Lygia. Do Ato (1965). Lygia Clark. Rio de Janeiro: Paço Imperial/Minc IPHAN, 1999, p. 164-165.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix (1980). Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia, vol. V. São Paulo: Editora 34, 1997.

FREUD, Sigmund (1919). Das Unheimliche. Gesammelte Werke. Vol. XII. Londres: Imago, 1955, p. 229-268.

HOFFMANN, Ernst Theodor Amadeus (1917). L’Homme au Sable. Contes Fantastiques. Paris: Flammarion, 1980.

JENTSCH, Ernst. Zur Psychologie des Unheimlichen. Psychiatrisch-Neurologische Wochenschrift, n. 22, agosto de 1906.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1421-22.53-64

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Tania Rivera