Partitura como anteparo

Isabel Carneiro

Resumo


O trabalho apresenta uma breve explanação dos processos artísticos que, ao relacionarem música e pintura, trazem à tona as problematizações
do conceito de partitura. Dividimos as produções artísticas em três diferentes modos de aproximar sonoridade e visualidade nas formas de equivalência, correspondência e paralelo. Na relação de equivalência, o anteparo (partitura) é a própria superfície onde estão inscritos a imagem e o som, de que são exemplos os trabalhos de Oskar Fishinger, Norman McLaren e Christian Marclay. Serão abordadas também questões que se referem à ordem da correspondência e de como nessa segunda relação referida existe a invenção de um anteparo (partitura) como nas obras de Klee, Kandinsky e Anestis Logothestis. Apresenta-se, por último, na dimensão do paralelo, a relação histórica da comparação entre as artes, começando pela tradição do Ut pictura poiesis até a especificidade de Greenberg e as formas de hibridação das artes na contemporaneidade.


Palavras-chave


partitura; anteparo; equivalência; correspondência e paralelo

Texto completo:

PDF

Referências


BALAKIAN, Anna. O Simbolismo. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BARROS, Henrique Lins. Música, pintura, física e as leis naturais. Disponível em mesonpi.cat.cbpf.br/e2006/pdf/MPFLU.pdf Acesso

em: 10 de julho 2013.

BASBAUM, Ricardo. Além da pureza visual. Porto Alegre: Zouk, 2007.

BOSSEUR, Dominique; BOSSEUR, Jean-Yves. Revoluções musicais. Trad. Maria José Bellino Machado. Lisboa: Editorial Caminho,

CAESAR, Rodolfo. O som como imagem. IV Seminário Música Ciência e Tecnologia: Fronteiras e Rupturas. Departamento de Música-ECA. Universidade de São Paulo, julho, 2012. Disponível em: www2.eca.usp.br/smct/ojs/index.php/smct/article/ download/78/

CAMPESINATO, Liliam. Arte sonora: uma metamorfose das musas. Dissertação de Mestrado- Escola de Comunicação em Artes.

Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CAZNOK, Yara Borges. Música: entre o audível e o visível/ 2 ed. São Paulo: Ed. UNESP; Rio de Janeiro: Funarte, 2008.

CHION, Michel. L´audio-vision. Paris: Editions Nathan, 1993.

FOSTER, Hal. O retorno do real. In: Concinnitas n.8. Revista do Instituto de Artes da UERJ, julho 2005, p.163-186.

KANDINSKY, Wassily. Olhar sobre o passado. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

LABELLE, Brandon. Background Noise: Perspectives on Sound Art. New York/London: Continuum Books, 2006.

LABELLE, Brandon; MIGONE, Christof. Writing Aloud: The Sonics of Language. Los Angeles: Errant Bodies Press, 2001.

LACAN, Jacques. Quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Trad. Jacques-Alain Miller. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

LICHTENSTEIN, Jacqueline. A pintura. Vol 7: O paralelo das artes. São Paulo: Ed. 34, 2005.

MONDZAIN, Marie José. L´image peut-elle tuer? Paris: Bayard, 2002.

RAMALHO DE CASTRO, R.C. O pensamento criativo de Paul Klee. Per Musi, Belo Horizonte, n. 21, 2010, p. 7-18.

XAVIER, Ismail. Vertov, nascimento do cine-olho, 1924. In: A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2003.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1421-22.189-202

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Isabel Carneiro