A fratura iconológica

Marcus Vinicius de Paula

Resumo


O artigo utiliza a teoria crítica de W.J.T. Mitchell para estabelecer uma aproximação entre sua metodologia de análise da imagem e a tradição de leitura alegórica, tecnicamente denominada como alegorese. A partir daí investiga-se as conexões ramificadas e fragmentárias que podem ser estabelecidas entre o visível e o legível, não apenas em obras de arte de diversas épocas, mas também em uma campanha publicitária. O objetivo final é apresentar estratégias iconológicas que permitam enfrentar os pontos cegos que habitam as interfaces entre as imagens que nos cercam.


Palavras-chave


iconologia; arte; leitura de imagem; alegoria

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Escritores, Intelectuais, Professores e outros ensaios. Lisboa: Editorial Presença, 1975.

BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo: Editora Globo, 1989.

BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 2008.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Lisboa: Assírio & Alvim, 2004.

BENJAMIN, Walter. Paris, capital do século XIX (Exposé de 1939). In: Passagens. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.

BESANÇON, Alain. A imagem proibida. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 1997.

BOEHM, Gottfried. O que se mostra. Da diferença Icônica. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, n. 22, 2011.

BRUGGEN, Coosje van. Bruce Nauman. Nova York: Rizzoli, 1980.

CHEVALIER, Jean. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olypio, 2002.

DEBRAY, Regis. A decolagem alfabética. In: Deus um itinerário. São Paulo: Ed. Schwarcz, 2004.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 2010.

DIDI-HUBERMAN, George. Poderes da figura: exegese e visualidade na arte cristã. Revista de Comunicação e Linguagens, n. 5, dez. 1994.

ECO, Umberto. O Alegorismo enciclopédico. In: Arte e beleza na estética medieval. São Paulo: Editora Globo, 1987.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 2002.

FOSTER, Hal. Signos subversivos. In: Recodificação. São Paulo: Casa Editorial Paulista, 1996.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

FOUCAULT, Michel. Isto não é um cachimbo. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1989

GAUR, Albertine. A History of Writing. Londres: The Britsh Library, 1992.

HOCKE, Gustav R. O Pansexualismo. In: Maneirismo: o mundo como labirinto. São Paulo: Perspectiva, 2005.

LAMBERT, Gilles. Caravaggio. Lisboa: Taschen, 2008.

MITCHELL, W. J. T. Iconology, Image, Text, Ideology. Chicago: The University of Chicago Press, 1987.

MITCHELL, W. J. T. Picture Theory. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

MURICY, Katia. Alegorias da dialética, imagem e pensamento em Walter Benjamin. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

NÉRET, Gilles. Malevitch. Lisboa: Taschen, 2003.

OWENS, Craig. O impulso alegórico: sobre uma teoria do pós-modernismo. Revista Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, n. 11, 2004.

OWENS, Craig. Representação, apropriação e poder. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, n. 23, 2012.

PANOFSKY, Erwin. O significado nas artes visuais. Lisboa: Ed. Presença, 1989.

STRATHERN, Paul. Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

STROULHAL, Eugen. Os escribas das casas da vida. In: A vida no egito antigo. Barcelona: Folio, 2009.

TUNGATE, Mark. Fashion Brands – Branding Style from Armani to Zara. Londres: Kogan Page Limited, 2008.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1320.85-104

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Marcus Vinicius de Paula