Dizer o indizível: histeria e heteronímia

Gabriel Cid de Garcia

Resumo


Em uma de suas últimas correspondências, Fernando Pessoa apresentou um diagnóstico de si com o intuito de explicar a gênese da heteronímia, procedimento que o tornara notável entre os poetas de sua geração. Apontando a histeria como sintoma disparador da produção de seus outros “eus”, o poeta remete a origem dos heterônimos a um impulso orgânico para a despersonalização, que o permitiria alcançar um campo de indiscernibilidade entre sua própria personalidade e as de suas simulações. A partir de sua autoclassificação como histérico, tendo em vista a intensidade de sua produção, investigamos a potência de elementos referidos à histeria para pensar a literatura e a arte em geral, aproximando sua perspectiva às análises feitas por Gilles Deleuze de Francis Bacon. Desta forma, a heteronímia poderia ser entendida como o produto da tensão imposta à unidade do sujeito, que passa a vacilar diante das forças pré-individuais que o povoam.


Palavras-chave


histeria; Fernando Pessoa; Gilles Deleuze; filosofia contemporânea; literatura portuguesa

Texto completo:

PDF

Referências


DELEUZE, Gilles. Francis Bacon: lógica da sensação. Trad. Roberto Machado (Coord.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Volume 1. Trad. Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 2000.

DELEUZE, Gilles. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Volume 3. Trad. Aurélio Guerra Neto et al. São Paulo: Editora 34, 2007.

DELEUZE, Gilles. O que é a filosofia? Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Editora 34, 2004.

LIND, Georg Rudolf. Teoria poética de Fernando Pessoa. Porto: Editorial Inova, 1970.

MUCCI, Latuf Isaías, s.v. “Verbete”, E-Dicionário de Termos Literários, coord. de Carlos Ceia, ISBN: 989-20-0088-9. Disponível em: http://www.fcsh.unl.pt/edtl. Acesso em: 12/01/2009.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Pessoa e a doença do Ocidente. In: Via Atlântica. São Paulo, n. 4, p. 94-105, out. 2000.

PESSOA, Fernando. Obra em prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2005.

PESSOA, Fernando. Poesias de Álvaro de Campos. Lisboa: Ática, 1951.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1319.119-135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Gabriel Cid de Garcia