Notas sobre arte, luxo, lixo, consumo e estética do cotidiano

Afonso Medeiros

Resumo


Da indústria do lixo à indústria do luxo (ou vice-versa), este ensaio aponta algumas questões sobre a estética do cotidiano que são atravessadas pelos modos de absorção, diluição e replicação da arte na cultura contemporânea. Dentre essas questões, aborda-se a complexidade dos processos de criação, transmissão e recepção estética que permeiam as relações sociais e são potencializados pela cibercultura.


Palavras-chave


arte; estética do cotidiano; cultura contemporânea

Texto completo:

PDF

Referências


BAUDELAIRE, Charles. A invenção da modernidade: sobre arte, literatura e música. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2006.

BAUDRILLARD, Jean. A transparência do mal: ensaio sobre fenômenos extremos. Campinas, SP: Papirus Editora, 1990.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

BORQUENEY, Élisabeth de. L’Esthétique du quotidien. Autres Temps: Les cahiers du christianisme social. Paris, n. 32, p. 16-19, 1991.

GEBAUER, Günter; WULF, Christoph. Mimese na cultura: agir social, rituais e jogos, produções estéticas. São Paulo: Annablume, 2004.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.

OSBORNE, Peter. El arte más allá de la estética: ensayos filosóficos sobre arte contemporâneo. Murcia, Espanha: Cendeac, 2010.

TATIT, Luiz. Música para reouvir. O Estado de São Paulo (Aliás). São Paulo, 31/12/2006.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1319.75-86

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Afonso Medeiros