Exposição: uma experiência de clínica em arte

Elisa de Magalhães

Resumo


Em Exposição (Casos 1 e 2), estabeleço uma clínica, que em arte não diagnostica nem cura, para refletir o comentário sobre o outro, como espectro, simulacro, paciente e espectador. Investigo o desejo de ser outro, ou do outro e desse vínculo com a autobiografia, através de jogos mentais de desejo e memória.


Palavras-chave


clínica; desejo; vínculo

Texto completo:

PDF

Referências


CAVELL, S. Esta América Nova, ainda Inabordável. São Paulo: Editora 34, 1997.

DERRIDA, Jacques. Adeus a Emmanuel Lévinas, São Paulo: Editora Perspectiva, 2004

FREUD, Sigmund. História de uma neurose infantil e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1969. FOUCAULT, Michel. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998.

LACAN, Jacques. Nomes-do-pai. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, Ed, 2005.

LÉVINAS, Emmanuel. Totalité et Infini: Essai sur l’extériorité. Paris: Le Livre de Poche, 1971

MAGNO, MD. A Natureza do Vínculo. Rio de Janeiro: Imago, 1994.

MARCUSE, Herbert. A Dimensão Estética. Lisboa: edições 70, 1977.

ROSSET, Clément. O real e seu duplo: ensaio sobre a ilusão. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

WANDERLEY, Lula. O dragão pousou no espaço: arte contemporânea, sofrimento psíquico e Objeto relacional de Lygia Clark. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1115.98-107

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Elisa de Magalhães