Dispositivo e experiência: relações entre tempo e movimento na arte contemporânea

Victa de Carvalho

Resumo


A arte contemporânea vem construindo dispositivos que fazem da obra um ativador que promove uma experiência de virtualidade e abre caminho para uma experimentação no tempo. A proposta é pensar sobre o dispositivo tendo em vista uma concepção que admite uma rede de agenciamentos de elementos heterogêneos, promovendo deslocamentos nas relações entre tempo e movimento e novos papéis para os observadores.

Palavras-chave


dispositivos; tempo e movimento; arte contemporânea

Texto completo:

PDF

Referências


BAUDRY, Jean-Louis. L’effet cinéma. Paris : Albatros, 1978.

BELLOUR, Raymond. “Querelle des dispositifs”. In: Art Press n. 262, 1999.

BELLOUR, Raymond. L’entre-images 2. Paris: P.O.L ., 2000.

BELLOUR, Raymond. L’entre-images. Paris: Ed. De la Différence, 1990.

BUCI-GLUCKSMAN,. Christine. Esthétique de l’éphémère. Paris: Galilée, 2003.

CLAERBOUT, David. David Claerbout. Catálogo da exposição. Paris: Centre Georges Pompidou, 2008.

DELEUZE, Gilles. Mille Plateaux. Capitalisme et Schizophrénie. Paris: Minuit, 1971-1980.

DELEUZE, Gilles. Cinema II. L’image-temps. Paris: Minuit, 1985.

DELEUZE, Gilles. Dialogues. Paris: Flammarion, 1999.

DUBOIS, Philippe. Movimentos Improváveis: o efeito cinema na arte contemporânea.

Catálogo da exposição. Rio de Janeiro: BB, 2003.

DUGUET, Anne-Marie. Déjouer l’image. Créations électroniques et numériques. Nîmes: Éditions

Jacqueline Chambon, 2002.

PAINI, Dominique. Le temps exposé: Le cinéma de la salle au musée. Paris: Cahiers du Cinéma, 2002.

ROSEN, Ph. (Org.) Narrative, apparatus, ideology. A film theory. New York : Columbia University Press, 1985.

SHAW, Jeffrey e WEIBEL, Peter (Org.). Future cinema the cinematic imaginary after film. Cambridge: MIT Press, 2003.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.912.39-50

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Victa de Carvalho