Cinema de exposição: o dispositivo em contra/campo

André Parente

Resumo


De que modo o cinema expandido está transformando o dispositivo do cinema em suas dimensões primordiais, arquitetônicas (as condições de projeção das imagens), tecnológicas (a produção, edição, transmissão e distribuição das imagens) e discursiva (decupagem, montagem, etc.)? Como ponto de partida, a aposta de que a noção de dispositivo nos permite repensar o cinema, evitando clivagens e determinismos tecnológicos, históricos e estéticos. Ao contrário do cinema dominante, muitas obras cinematográficas reinventam o dispositivo cinematográfico, multiplicando as telas, explorando outras durações e intensidades, transformando a arquitetura da sala de projeção, entretendo outras relações com os espectadores.

Palavras-chave


instalações; cinema de artista; arte e tecnologia; arte contemporânea

Texto completo:

PDF

Referências


BURCH, Noel. La lucarne de l’infini. Paris: Nathan, 1990.

BONITZER, Pascal. Champ aveugle. Paris: Gallimard/Cahiers, 1982.

MACIEL, Katia (org.) Margens da palavra In: Transcinema. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2008.

PARENTE, A. Cinema do dispositivo. IN: Penafria, M. e Martins I. M. Estéticas do digital. Cinema

e Tecnologia. Covilhã: LABCOM, 2007

PARENTE, André. Cinema de vanguarda, cinema experimental, cinema do dispositivo. IN :

Cocchiarale, Fernando. Filme de artista (1965-1980). Rio de Janeiro: Contra Capa, 2008.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.912.51-63

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 André Parente