O corpo-forma Xavante no cenário ritualístico contemporâneo

Cristina Campos

Resumo


O corpo-forma Xavante, inseparável de seu contexto ritualístico é preparado com atributos cuidadosamente elaborados; apresentado para a platéia que o admira; apreciado pelos detentores da tradição que julgam e elaboram um discurso crítico. Esse entendimento, que na contemporaneidade caminha para um diálogo transcultural, abre espaço para a constituição de um perfil de artista indígena, aquele que busca no cenário atual um reconhecimento.

Palavras-chave


arte xavante; performance ritual; corpo-forma

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Guilherme. Índios Xavante mostram rituais em festival em Veneza. Disponível em:

. Acesso

em: 04 nov. 2005.

CAMPOS, Cristina R. O Corpo Emana – Elementos da Plástica Corporal Xavante. Anais do 15º

Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas – ANPAP. Arte: limites

e contaminações. Salvador: ANPAP, 2007, p. 60-70.

______. Corpo pintado: arte e tradição . Revista Concinnitas – Instituto de Artes da UERJ. ANO

- vol. 2. N.11. Rio de Janeiro: PPGARTES/UERJ, 2008, p. 6-15.

FRADE, Isabela. O lugar da arte: o paradigma multicultural frente ao primitivismo. In: NCP/

IART/UERJ. Textos Escolhidos de Cultura e Arte Populares. Vol. 1. Rio de Janeiro: NCP/IART/

UERJ, 2004, p. 17-24

GIACCARIA, Bartolomeu. Xavante ano 2000: reflexões pedagógicas e antropológicas. Campo

Grande: Universidade Católica Dom Bosco, 2000, p. 169.

MAYBURY-LEWIS, David. A Sociedade Xavante. Tradução Aracy Lopes da Silva. Rio de Janeiro:

Livraria Francisco Alves Editora S/A, 1984.

PRICE, Sally. Arte Primitiva em Centros Civilizados. Tradução Inês Alfano. Revisão técnica de José

Reginaldo S. Gonçalves. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.

LAGROU, Els. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica

(Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: Topbooks Editora e Distribuidora de Livros Ltda., 2007.

SCHNEIDER, Arnd and WRIGHT, Christopher (Editors). Contemporary Art and Anthropology.

Berg, Oxford, NY, 2006, 220pp. Tradução da autora.

SEREBURÃ et al. Wamrêmé Za’ra-Nossa palavra: Mito e história do povo Xavante. Tradução

Paulo Supretaprã Xavante e Jurandir Siridiwê Xavante. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 1998.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A Inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac & Naify,

, p. 374.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.912.65-76

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cristina Campos