Wim Delvoye e seu império

Fabiana de Moraes

Resumo


O artigo aborda a produção de Wim Delvoye, apontando para a impossibilidade de um pensamento que tome a arte somente a partir do ponto de vista histórico ou estético, que obedeça à linearidade e à teleologia. A referência à simbologia de tempos históricos, como a modernidade, é aqui realizada por meio de descontextualizações e de deslocamentos. Se jogo é um elemento central para a compreensão dessa estética, é por meio do humor que o artista se apodera do mundo e age por deslegitimação.

Palavras-chave


arte contemporânea; estética; modernidade

Texto completo:

PDF

Referências


CRESTI, Daniela; GAGLIANÒ, Pietro. Wim Delvoye: fabrica. In: Exibart.onpaper: eventi d’arte in Itália. Firenze, v. 2, n. 10, p. 16, nov./dez. 2003. Disponível em http://www.emmi.it/pdf/ Onpaper10.pdf. Acesso em 21/09/2005.

DANNAT, Adrian. Lav lab. In: Cloaca. Disponível em www.cloaca.be. Acesso em 22/09/2005.

DELVOYE, Wim. Josefina Ayerza interviews Wim Delvoye. In: Cloaca. Disponível em http://www.lacan.com/frameXIX7.htm.

Acesso em 02/10/2006.

JE cherche à donner une cotation à l’art: entrevista com Wim Delvoye, Le Monde, Paris, 25/8/2005.

Michaud, Yves. Humain, inhumain, trop humain : Réflexions philosophiques sur les biotechnologies, la vie et la conservation de soi à partir de l’oeuvre de Peter Sloterdijk, Paris, Climats, 2006.

RANCIÈRE, Jacques. Le partage du sensible: esthétique et politique. Paris: La fabrique editions, 2000.

RANCIÈRE, Jacques. Malaise dans l’esthétique. Paris: Galilée, 2004.

Site de referência

www.wimdelvoye.be> Site de Wim Delvoye.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1115.108-121

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Fabiana de Moraes