Céus de tintas e palavras Van Gogh, Mallarmé, Magritte

Mônica Genelhu Fagundes

Resumo


Do tempo ahistórico do mito à era tecnológica dos telescópios de longo alcance, o céu estrelado tem sido visto e representado de modos diversos, e a ele têm sido atribuídos múltiplos sentidos. Para os artistas modernos aqui estudados, porém, a sua imagem é mais do que um mero tópico pictórico ou literário: ela se torna uma alegoria de seu esforço de capturar o mundo e seu significado em imagens e palavras, e um símbolo da arte como utopia do real.

Palavras-chave


imagem; mímesis; utopia; intersemiosis

Texto completo:

PDF

Referências


Bataille, G. (1968) Documents. Org. Bernard Noël. Paris : Mercure de France.

Benjamin, W. (1984) Origem do drama barroco alemão. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense.

Bataille, G. (1994) Charles Baudelaire, um lírico no auge do Capitalismo. (Obras escolhidas, v. 3) Trad. Trad. José

Carlos Barbosa e Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense.

Blanchot, M. (1980) L’écriture du désastre. Paris: Gallimard.

Blanchot, M. (2005) L’espace littéraire. Paris: Gallimard.

Campos, H. de. (1974) Lance de olhos sobre “Um lance de dados”. In: Mallarmé, S. Mallarmé. (Org. e Trad. Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos) São Paulo: EDUSP; Perspectiva.

Didi-Huberman, G. (2003) La ressemblance informe ou le gai savoir visuel selon Georges Bataille. Paris: Macula.

Friedrich, Hugo. (1978) Estrutura da lírica moderna. Trad. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

Mallarmé, S. (2003) Igitur, divagations, Um coup des dès. Paris: Gallimard.

Valéry, P. (1998) Varieté I et II. Paris: Gallimard




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1013.113-120

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Mônica Genelhu Fagundes