O Escritor: uma “máquina de produzir desordem”

Claudio Alexandre de Barros Teixeira

Resumo


O Escritor: uma “máquina de produzir desordem” tem como objetivo estudar o romance visual de Ana Hatherly, composto entre 1969 e 1972, que apresenta afinidades estéticas com as vanguardas históricas e com as tradições barroca e maneirista, e em especial com os labirintos (ou textos visuais) do século XVII.

Palavras-chave


Ana Hatherly; vanguarda; barroco

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA, Affonso: O lúdico e as projeções do mundo barroco. São Paulo: ed. Perspectiva, 1994.

ECO, Umberto. Os limites da interpretação. São Paulo: Perspectiva, 2008.

FREITAS, Lima de. Das geometrias labirínticas. Revista ICALP, vol. 2/3, 1985, 69-81.

HATHERLY, Ana. O Escritor. Lisboa: Moraes Editores, 1975.

HATHERLY, Ana. O espaço crítico. Lisboa: Editorial Caminho, 1979.

HATHERLY, Ana. Obra visual: 1960-1990. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1992.

HOCKE, Gustav René. Maneirismo: o mundo como labirinto. São Paulo: Perspectiva, 2005.

HOLLANDA, Aurélio Buarque. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

HUIZINGA, Joahan. Homo ludens. O jogo como elemento da cultura. São Paulo: ed. Perspectiva, 2007.

MOLES, Abraham. Teoria da informação e percepção estética. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1969.

PERLOFF, Marjorie. O momento futurista. São Paulo: Edusp, 1993




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1014.59-65

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Claudio Alexandre de Barros Teixeira