Em Que o Tango Pode Ser Bom para Tudo?

Marcilio de Souza Vieira

Resumo


Refletimos neste artigo sobre a dança de salão Tango, configurando-se numa nova estética de dança. O tango nos aponta um modelo corporal que transgride com a ideia de dança linear, desconstruindo estereótipos corporais e a movimentação distinta de padrões de beleza convencionais e unilaterais. Um dos trabalhos mais expressivos da reconfiguração e ressignificação do tango podem ser encontrados nas obras de Carlos Saura, diretor de cinema espanhol e na Dança-teatro da coreógrafa alemã Pina Bausch.

Palavras-chave


tang; cinema; dança-teatro

Texto completo:

PDF

Referências


BENTIVOGLIO, Leonetta. O teatro de Pina Bausch. Lisboa: Fundação Caloust Gulbenkian.1994.

CALAMARO, Lucia. De cuerpos y viajes: notas sobre la transferencia intercultural de formas espetaculares. In: GREINER, Christine;

BIÃO, Armindo (Org..). Etnocenologia: textos selecionados. São Paulo: Annablume, 1999.

FERNANDES, Ciane. Pina Bausch e o Wuppertal Dança-teatro: repetição e transformação. São Paulo: Hucitec, 2000.

FERRER, Horacio. El Tango, su historia y evolución. Buenos Aires: Peña Lillo/ Ediciones Continente.

HOUGE, Raimund; WEISS, Ulli. Bandoneon: em que o tango pode ser bom para tudo? Tradução de Robson Ribeiro e Gaby Kirsh. São

Paulo: Attar editorial, 1989.

MATAMORO, Blass. El tango. Madrid: Acento Editorial, 1997.

NÓBREGA, Terezinha Petrucia da. Dançar para não esquecermos quem somos: por uma estética da dança popular. In: II Congresso

Latino Americano e III Congresso Brasileiro de Educação Motora, 2000. Natal, RN. Anais do II Congresso Latino Americano e III

Congresso Brasileiro de Educação Motora, 2000. Natal, RN, 2000, p.54-59.

NÓBREGA, Terezinha Petrucia da. Corpos do tango: reflexões sobre gesto e cultura de Movimento. In: LUCENA, Ricardo de F.;

SOUZA, Edílson Fernandes (orgs.). Educação física: esporte e sociedade. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2003.

ORGAMBIDE, Pedro. Un tango para Gardel. Buenos Aires: Sudamericana, 2003.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1014.66-77

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Marcilio de Souza Vieira