O ENSINO RELIGIOSO NAS POLÍTICAS DE CURRÍCULO: O CASO DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

Mirinalda Alves Rodrigues dos Santos

Resumo


Este artigo é fruto das reflexões e discussões acerca dos estudos curriculares e do campo da(s) Ciência(s) da(s) Religião(ões) frente ao Ensino Religioso - ER, bem como o seu reconhecimento como componente curricular na Base Nacional Comum Curricular – BNCC, cuja política de currículo será referência no que diz respeito aos conteúdos e saberes necessário para traçar os objetivos de aprendizagens a serem ensinados e apreendidos pelos educandos nas escolas públicas e particulares do Brasil. Entretanto,  na terceira versão da BNCC aprovada pelo Ministério da Educação - MEC o Ensino Religioso foi retirado desse documento, até então se tinha presente esse ensino nas duas últimas versões na BNCC. É nesse sentido que o objetivo desse trabalho é analisar os discursos produzidos nas Políticas Públicas de Currículo, acerca da exclusão do Ensino Religioso na BNCC. Metodologicamente esse estudo é de cunho bibliográfico e documental com delineamento explicativo, reflexivo e crítico. Diante da análise realizada nesse estudo frente à exclusão do Ensino Religioso na BNCC podemos concluir, portanto, que o documento proposto se faz mais um artefato para legitimar hegemonias, preconceitos, discriminações, e relações de poder no que se tratam as questões religiosas.

 Palavras-chave: Ensino Religioso. Políticas de Currículo. Base Nacional Comum Curricular. 


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Estudo comparativo entre a versão 2 e a versão final. Ministério da Educação – MEC, 2017. Disponível em: Acesso em: Maio 2017.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Ensino religioso na escola pública: o retorno de uma polêmica recorrente. Revista Brasileira de Educação. Nº 27, 2004. Disponível em: Acesso em: Maio, 2017.

FOUCAULT, Michel.A ordem do discurso: aula inaugural no College de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 15ª.ed. São Paulo: Loyola, 2007.

_______. A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1986.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade?. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Identidade e Diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2009.

MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa; SILVA, Tomaz Tadeu. (Org.). Currículo, cultura e sociedade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

SANTOS, Mirinalda Alves Rodrigues dos.; LACERDA, Thalisson Pinto Trindade de. (Re)significando os sentidos de currículo e interculturalidade no ensino religioso: desafios no contexto da globalização. In: VIII Congresso Nacional do Ensino Religioso-CONERE, 2016, Recife/PE. Anais do Congresso Nacional de Ensino Religioso. Florianópolis/SC: FONAPER, 2016, p. 290-304.

SILVA, Tomaz Tadeu da.O currículo como fetiche – A poética e a política do texto. Autêntica, 2007.

SÜSSEKIND, Maria Luiza. As (im)possibilidades de uma Base Comum Nacional. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p.1512-1529, out./dez. 2014. Disponível em: .Acesso em: Maio, 2017.




DOI: https://doi.org/10.22409/pragmatizes2017.13.a10459

Apontamentos

  • Não há apontamentos.