Cultura hip hop: Batalha dos Bombeiros - entre rimas e reivindicações.

Amanda Rosiéli Fiuza e Silva, Sandra Rúbia da Silva, Jonária França da Silva

Resumo


Neste artigo descrevo os resultados obtidos através da experiência de uma pesquisa etnográfica intitulada “Batalha dos Bombeiros: elementos da cultura hip hop como ferramenta de resistência sociopolítica”.  A investigação analisou se a Batalha dos Bombeiros, evento da cultura hip hop da cidade de Santa Maria/RS, pode ser considerado um espaço de representações e reivindicações sociopolíticas. O objetivo foi compreender como e quais são as práticas que auxiliam na construção do caráter de resistência sociopolítica da cultura hip hop na Batalha dos Bombeiros. A metodologia utilizada foi a etnografia e como procedimento metodológico foi realizada a técnica de entrevista individual em profundidade. As observações participantes ocorreram durante cinco meses consecutivos do ano de 2014. E as entrevistas foram realizadas com sete jovens que classificados entre organizadores da Batalha dos Bombeiros, integrantes da cultura hip hop e espectadores do evento. A investigação revelou a Batalha dos Bombeiros como cenário de múltiplos significados, isto é, a praça onde são desenvolvidas práticas culturais constitui-se em um espaço simbólico de resistência onde jovens oriundos das periferias da cidade, por meio das expressões culturais e da apropriação do espaço público, manifestam suas lutas sociais e reivindicam melhores condições de vida. Assim, a Batalha dos Bombeiros é um espaço de articulações políticas, vivências e experiências, um legítimo espaço de resistência sociopolítica. 


Texto completo:

PDF

Referências


Livro:

BORJA, Jordi; MUXI, Zaida. El espacio Público: ciudad e ciudadania. Barcelona: Electra, 2003.

CAIAFA, Janice. Aventura das cidades: ensaios e etnografias. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

CATANI, A. M; GILIOLI. R. S. P. Culturas juvenis: múltiplos olhares. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

COUTINHO, E.G. Comunicação e contra-hegemonia: processos culturais e comunicacionais de contestação, pressão e resistência. COUTINHO, E.G. (Org.). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

HERSCHMANN, M. O funk e o hip hop invadem a cena. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Da periferia ao centro: trajetórias de pesquisa em antropologia urbana. São Paulo: Terceiro Nome, 2012.

SALLES, Ecio. Poesia revoltada. Rio de Janeiro: Aeoroplano, 2007.

Capítulo de livro:

CASTRO, L. R. Os jovens podem falar? Sobre as possibilidades políticas de ser jovem. In: DAYRELL, J; MOREIRA, M. I. C; STENGEL, M. (Orgs.). Juventudes contemporâneas: um mosaico de possibilidades. Belo Horizonte: Ed. PUCMINAS, 2011, p. 43-67.

COSTA, R.S. Uma experiência com autoridades: pequena etnografia de contato com o hip hop e a polícia num morro carioca. In: VELHO, Gilberto.; KUSCHNIR, K. (Orgs.). Pesquisas urbanas: desafios do trabalho antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. p. 139 – 155.

COUTINHO, E.G. . A comunicação do oprimido: malandragem, marginalidade e contra-hegemonia. In: RAQUEL, Paiva.; CRISTIANO, Henrique. (Orgs.). Comunidade e contra-hegemonia: rotas da comunicação alternativa. Rio de Janeiro: Mauad, 2008, p. 61-74.

DUARTE, J. Entrevista em profundidade. In: DUARTE, J.; BARROS, A. (Orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2009, p. 62-83.

HERSCHMANN, M. ; GALVÃO, T. Algumas considerações sobre a cultura hip hop no Brasil hoje. In: SILVIA H. S. Borelli.; JOÃO, Freire. F. (Orgs.). Culturas juvenis no século XXI. São Paulo: EDUC, 2008, p. 195-210.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Quando o campo é a cidade: fazendo antropologia na metrópole. In: MAGNANI, José Guilherme Cantor; TORRES, Lilian de Lucca (Orgs.). Na metrópole: textos de antropologia urbana. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000, p. 15 -53.

ROSE, Tricia (Org.). Um estilo que ninguém segura: política, estilo e a cidade pós-industrial no hip hop. In: HERSCHMANN, Micael. Abalando os anos 90: funk e hip hop: globalização, violência e estilo cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. p. 190-214.

SOUZA, A. M. Globalizando localidades: relações de produção-consumo no movimento hip hop no Brasil e em Portugal. In: SOUZA, A. M.; RIAL, C. S.; SILVA, S. R. (Orgs.). Consumo e Cultura Material: perspectivas etnográficas. Florianópolis: UFSC, 2012, p. 91 – 113.

Artigos:

ARAÚJO, Marianna; COUTINHO, Eduardo Granja. Hip hop: uma batida contra-hegemônica na periferia da sociedade global. In: Anais do XXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Natal, 2008. Disponível em: . Acesso em 15 de março de 2014.




DOI: https://doi.org/10.22409/pragmatizes2018.14.a10476

Apontamentos

  • Não há apontamentos.