Chora não coleguinha: uma análise da influência da formação discursiva do movimento feminista em músicas da dupla Simone & Simaria

Cristiano Max Pereira Pinheiro, Rosana Vaz Silveira, Daniele Peletti de Souza, Ester Quaresma da Silva

Resumo


O presente artigo analisa o discurso das letras de músicas da dupla sertaneja Simone & Simaria. A importância do tema se dá na medida em que há uma crescente participação de mulheres no meio musical, como o sertanejo, abordando assuntos envolvendo discursos ditos feministas. O objetivo geral é analisar a formação discursiva das letras e sua associação com o movimento feminista, conforme divulgado pelas cantoras em suas entrevistas na mídia. A base teórica compõe-se de autores que expressam sobre o Feminismo, sobre o gênero musical do sertanejo e a análise do discurso. O estudo apoia-se no método qualitativo por meio de pesquisa bibliográfica e Análise do Discurso nas letras de músicas. A análise consiste na associação da música Chora Boy de Simone & Simaria com o discurso feminista, em meio aos trabalhos da dupla. Com isso, foi possível perceber que apesar da música Chora Boy contar com aspectos discursivos da formação discursiva do Feminismo, ela possui trechos que reforçam a submissão feminina.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVARES, Maria Luzia Miranda; PINHEIRO, Ivonete. Mitos: Pilares que sustentam o patriarcado, na perspectiva de Simone de Beauvoir. 18º Redor – Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher e Relações Gênero, 2015: p. 1357-1369. Disponível em: ; Acesso em: 04 jun. 2017

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

CANCIAN, Renato. Feminismo: movimento surgiu na Revolução Francesa. UOL Educação, publicado em 07/08/2008. Disponível em: ; Acesso em: 27 maio 2017.

Ano 8, número 14, semestral, out/2017 a mar/ 2018

Disponível em http://www.pragmatizes.uff.br

FRIEDAN, Betty. Mística feminina. Rio de Janeiro: Vozes Limitada, 1971.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MAINGUENEAU, Dominique. Cenas da Enunciação. [Organização de Sírio Possenti, Maria Cecília Perez de Souza e Silva] São Paulo: Parábola Editorial, 2008a.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008b.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. Campinas, SP: Pontes: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1997.

MARODIN, Marilene. As relações entre o homem e a mulher na atualidade. In. STREY, Marlene Neves. Mulher: estudos de gênero. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, 2001

NEPOMUCENO, Rosa. Música caipira: da roça ao rodeio. São Paulo: Editora 34, 1999.

O SUCESSO DAS MULHERES NO MERCADO SERTANEJO. Profissão Repórter, Emissora Globo, exibido e publicado dia 30/05/17. Disponível em: ; Acesso em: 02 jun. 2017.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. São Paulo: Pontes, 2015.

ORLANDI, Eni P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. São Paulo: Pontes, 2008.

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

PRÁ, Jussara Reis. Gênero e feminismo: uma leitura política. In. STREY, Marlene Neves; MATTOS, Flora B.; FENSTERSEIFER, Gilda; WERBA, Graziela C (orgs.). Construções e perspectivas em gênero. São Leopoldo, RS: Unisinos, 2000.

PRÁ, Jussara Reis. O feminismo como teoria e como prática política. In. STREY, Marlene Neves. Mulher: estudos de gênero. São Leopoldo, RS: Unisinos, 2001.

RODRIGUES, Hedmilton. Como surgiu o sertanejo universitário. Movimento Country, publicado em 06/09/2016. Disponível em: ; Acesso em: 24 maio 2017.

SIMONE & SIMARIA. Wikipédia, última edição em 04/06/2017. Disponível em: ; Acesso em: 23 maio 2017.

VALEK, Aline. O que as feministas defendem. Carta Capital, publicado em 16/07/2014. Disponível em: ; Acesso em: 29 maio 2017.

ZAN, José Roberto. (Des)territorialização e novos hibridismos na música sertaneja. Revista Sonora, 2008. Disponível em: ; Acesso em: 24 maio 2017.




DOI: https://doi.org/10.22409/pragmatizes2018.15.a27263

Apontamentos

  • Não há apontamentos.