Soropositividade para Leptospira sp. e sorogrupos predominantes em cães do Pantanal Brasileiro

Maria Lúcia Spanga, Diego Figueiredo da Costa, Sérgio Santos de Azevedo, Andréia Lima Tomé Melo, Daniel Moura de Aguiar, Lázaro Manoel de Camargo

Resumo


Em face à grande importância que a leptospirose possui no contexto sanitário mundial, tanto no aspecto humano como animal, este estudo teve por objetivo realizar a pesquisa de anticorpos anti-Leptospira sp. pela técnica de Soroaglutinação Microscópica (SAM) em 429 amostras de soros de cães provenientes de quatro municípios (Poconé/MT, Santo Antônio de Leverger/MT, Barão de Melgaço/MT e Corumbá/MS) localizados na região do Pantanal Brasileiro, bem como foram verificadas possíveis associações entre os resultados dos exames sorológicos e respostas aos questionários epidemiológicos aplicados aos proprietários. Do total de cães avaliados pela SAM (título ≥100), verificou-se que 34 (7,93%; IC 95%: 5,63%-11,00%) cães tinham anticorpos antiLeptospira sp. Os títulos encontrados variaram entre 100 e 1600 e todos os municípios analisados tinham cães sororreagentes ao agente pesquisado. O sorogrupo reator mais frequente foi o Icterohaemorrhagiae, seguido pelo Australis. Por outro lado, foram observadas menores proporções de cães reagentes aos sorogrupos Tarassovi, Hebdomadis, Autumnalis e Grippotyphosa. As variáveis associadas com a ocorrência de leptospirose foram habitat rural (P<0,01) e área alagável (P=0,01). Estes resultados demonstram que os cães da região pantaneira tiveram contato com agentes do gênero Leptospira, o que representa uma informação relevante para a saúde pública local devido à importância zoonótica da doença. 


Palavras-chave


Anticorpos, Leptospirose, Soroaglutinação Microscópica, Brasil

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV