Associação entre oxitetraciclina e cloprostenol no tratamento de vacas leiteiras com retenção de placenta

Carlos Antônio de Carvalho Fernandes, Miller Pereira Palhão, Josiane Rossi Ribeiro, João Henrique Moreira Viana, Marilu Martins Gioso, Ana Cristina Silva Figueiredo, Eunice Oba, Deiler Sampaio Costa

Resumo


 

Objetivou-se verificar a ocorrência de retenção de placenta (RP) em vacas leiteiras provenientes de rebanhos leiteiros comerciais da região Sul de MG e Norte de SP, Brasil e avaliar a associação entre oxitetraciclina e cloprostenol para o tratamento de RP. Foram utilizadas 769 vacas gestantes. Após o parto, os animais com RP (N=121) foram aleatoriamente divididos em dois grupos de tratamento: 1) Aplicação de cloridrato de oxitetraciclina, 20 mg/kg (IM) em dose única; 2) inclusão de duas injeções de 0,530 mg de cloprostenol, com 48 horas de intervalo ao tratamento 1. Foram avaliados a ocorrência de infecção, o grau de involução uterina e presença de corpo lúteo aos 25-40 dias pós-parto, por vaginoscopia, palpação retal e ultrassonografia, respectivamente. Também foram comparados o intervalo do parto - 1ª IA, parto/concepção e serviços/concepção. A análise das variáveis discretas utilizou a estatística de Wilcoxon. O teste “T” de Student foi utilizado para comparar variáveis contínuas. A ocorrência de RP foi de 15,7%. A inclusão de cloprostenol ao tratamento acelerou a involução e reduziu a ocorrência de infecção uterina (45% vs 79,49%), e aumentou o percentual de animais com corpo lúteo aos 25-40 dias pós-parto. Os intervalos do parto à primeira inseminação (84,44+20,79a vs 74,21+17,74b) e do parto à concepção (149,61+55,82ª vs 121,59+42,41b), e o número de serviços por concepção foram reduzidos (2,65+0,96b vs 3,03+1,29a) com inclusão do cloprostenol ao tratamento. A associação de antibiótico e cloprostenol acelera a involução uterina, reduz a ocorrência de infecções uterinas e melhora o desempenho reprodutivo das vacas leiteiras com retenção de placenta.

 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV