Vulvoplastia pré ou pós-cobertura e sua influência na fertilidade

Eduardo Malschitzky, Petra Garbade, Ricardo Macedo Gregory, Rodrigo da Costa Mattos

Resumo


O presente estudo teve como objetivo comparar a taxa de prenhez de éguas PSC apresentando boa conformação perineal,natural ou corrigida cirurgicamente, no momento da cobertura com a taxa obtida em éguas com falhas no fechamento vulvar ecuja correção cirúrgica ocorreu somente após a ovulação. Foram utilizadas 293 éguas Puro Sangue de Corrida, sendo 47virgens, 96 falhadas e 150 com produto ao pé. Durante os exames de rotina para o controle folicular, a região perineal eraavaliada quanto à sua conformação. Quando necessária, a sutura dos lábios vulvares era realizada o mais rapidamentepossível, após a ovulação. Os diagnósticos de gestação foram realizados através de ultra-sonografia entre 12 e 14 dias apósa ovulação. Foi observada diferença significativa (p=0,072) entre as éguas com bom fechamento vulvar e com mau fechamentovulvar. Conclui-se que correções dos defeitos de períneo efetuadas antes do início do cio em que se efetuará a coberturaapresentam melhores resultados de prenhez do que quando a correção é realizada após a ovulação.

Palavras-chave


eqüinos, vulvoplastia, taxa de prenhez

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV