Avaliação clínica e histopatológica do bulbo do olho de cães, após aplicação de flunixin meglumine por via subconjuntival

Paula Diniz Galera, José Luiz Laus, Cássio Ricardo Ribeiro, Ana Maria Barros Soares

Resumo


Frente à eficácia do uso de flunixin meglumine nas inflamações oculares em cães, pelas vias oral, intravenosa, intramusculare subcutânea, concebeu-se testar a via de administração subconjuntival, para uso oftálmico, nesta espécie e os efeitos destefármaco sobre os tecidos oculares. Animais da espécie canina, adultos, machos e fêmeas, clinicamente sadios receberam,por aplicação subconjuntival, flunixin meglumine na dose de 1,1 mg/kg em olho direito, durante três dias consecutivos. O olhocontralateral (controle) recebeu solução salina a 0,9% em volume idêntico ao do fármaco. Estudaram-se as eventuais alteraçõessobre o bulbo do olho mediante exames clínico e histopatológico. Os resultados obtidos mostraram blefarospasmo,hiperemia conjuntival e quemose transitórias no sítio de aplicação e blefarospasmo. Os bulbos oculares foram coletados aotérmino do protocolo terapêutico. A histopatologia dos olhos submetidos à aplicação do flunixin meglumine revelou infiltradocelular moderado, sob a conjuntiva, em olhos direito de cinco animais e leve em olho esquerdo de um cão. Pode-se observara manutenção da integridade do segmento posterior do olho em todos os animais, mormente pela coesão das três túnicasoculares.

Palavras-chave


flunixin meglumine, olho, cão, aplicação subconjuntival, inflamação

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV