Avaliação toxicológica do extrato acetato de etila de Spigelia anthelmia Linn, em ratos e camundongos

A. L. F. Camurça-Vasconcelos;, L. M. Melo, N. R. F. Nascimento, P. G. M. Teixeira, D. B. Menezes, R. A. Silva, I. P. Souza, M. G. R. Queiroz, S. M. Morais, C. M. L. Bevilaqua

Resumo


O extrato acetato de etila de Spigelia anthelmia (EASa) mostrou formalmente ser altamente eficaz contra o desenvolvimentolarvar e a eclosão de ovos de Haemonchus contortus, um importante parasito de ruminantes, in vitro. A DL1 e a DL10 de EASaforam administradas subcrônica e cronicamente pela via oral em ratos wistar e o perfil bioquímico foi comparado antes e apóscada tratamento e com veículo. Vários órgãos foram coletados e processados para análise histopatológica. Os parâmetroshematológicos foram avaliados antes e depois da administração de EASa durante 30 dias. E os efeitos do EASa administradopela via oral durante o período embriogênico ou organogênico a camundongas gestantes foram estudados. Os efeitos diretosde EASa, in vivo, foram calculados na pressão sangüínea arterial média e no eletrocardiograma (ECG), e in vitro no coraçãoisolado e no átrio isolado de ratos. A administração de EASa não afetou qualquer parâmetro bioquímico, hematológico oureprodutivo estudado. EASa induziu um efeito hipotensivo de curto prazo em ratos normotensivos sem qualquer alteraçãoconcomitante nos parâmetros do ECG. As maiores doses de EASa induziram uma significante diminuição da amplitude decontração do coração e átrio direito. EASa é desprovido de toxicidade significante e tem leves efeitos no sistema cardiovascular.

Palavras-chave


Spigelia anthelmia, toxicidade sistêmica, ratos e camundongos

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Ciência Veterinária - RBCV